“EUA promovem desestabilização de democracias na América Latina”, denuncia Moniz Bandeira

 

Moniz Bandeira: EUA promovem desestabilização na América Latina; atores muito bem pagos atuam na Venezuela, Argentina e Brasil.

O cientista político e historiador Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira denunciou hoje (17) que os Estados Unidos, por meio de órgãos como CIA, NSA (Agência Nacional de Segurança) e ONGs a eles vinculadas, continuam na tentativa de desestabilizar governos de esquerda e progressistas da América Latina, como os da Venezuela, Argentina e Brasil.

Em entrevista ao PT na Câmara, por e-mail, Moniz Bandeira disse que ‘’evidentemente há atores, profissionais muito bem pagos, que atuam tanto na Venezuela, Argentina e Brasil, integrantes ou não de ONGs, a serviço da USAID, National Endowment for Democracy (NED) e outras entidades americanas”, para desestabilizar esses países, com a utilização de instrumentos que incluem protestos de rua. Publicado por www.viomundo.com.br leia mais →

Youssef e Aécio: o silêncio que grita da mídia brasileira. Por Fernando Brito.

“A única ditadura que existe, mesmo, no Brasil, é a da mídia. (…). Não precisa mais censor. O seu direito de saber dos fatos, agora, está completamente vinculado a que seja da conveniência do cartel da mídia. Ou de que você os procure em matérias pequenas, no meio do texto ou em referências esparsas. Não se trata mais de ‘parcialidade’. É silêncio. Se alguém quer saber como é que uma ditadura encobre a corrupção, olhe para o que está acontecendo.” Leia o comentário de Fernando Brito, no blog Tijolaço.
20 de março de 2015 | 10:48 Autor: Fernando Brito
http://tijolaco.com.br/blog/?p=25638

leia mais →

Juízes de Direito ou Estrelas de capa de revista? Por Wagner Francesco

Certos juízes preferem o brilho dos holofotes da mídia e o aplauso fácil aos rigores e a isenção da formalidade processual. Deveriam fazer carreira em partidos políticos e não no Judiciário. Magistrados que adoram “jogar para a plateia”, dar entrevistas, participar de festas da elite, receber prêmios, sair em capas de revistas, não merecem exercer a função. A justiça não combina com o espalhafato. Confira o artigo de Wagner Francesco, no JusBrasil, republicado por Luis Nassif Online. (Celso Vicenzi). leia mais →

A política no Brasil: entre a novela e o futebol

Num país em que a disputa eleitoral passou a ser retratada como um Fla-Flu, em que cada vez mais seus eleitores e simpatizantes se comportam como torcidas organizadas, repetindo caracterizações como “petralha” ou “coxinha” para designar campos ideológicos distintos, que esperar do futuro do país? Quando manifestantes são “pautados” por uma organização midiática que há muito não sabe mais separar sua área de entretenimento da sua cobertura jornalística, o que esperar? Quando delegados e procuradores se comportam como “redatores” de uma novela criminal e não mais investigam a não ser para pautar as manchetes do dia seguinte, sinto, mas vivemos uma experiência política sitiada. Enclausurada entre a interpretação “noveleira” que distingue o mundo em mocinhos e vilões, e a interpretação futebolística que torna a manifestação política a irracional paixão pelo “meu” time, definitivamente, a política não vai bem em nosso país. Por Vinicius B. Vicenzi. leia mais →

“Nossa nação não pode ser obrigada a assistir cada vez mais as sanhas da extrema direita no asfalto, misturadas ao povo, numa marcha contra a memória de todos que um dia lutaram e morreram pela liberdade deste país. Basta desse show de horrores.”

Jandira Feghali, deputada federal pelo PCdoB e presidente da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados.

“Ou nos civilizamos ou pereceremos.”

Euclides da Cunha (1866-1909), engenheiro, militar, físico, naturalista, jornalista, geólogo, geógrafo, botânico, zoólogo, hidrógrafo, historiador, sociólogo, professor, filósofo, poeta, romancista, ensaísta e escritor brasileiro, autor de Os Sertões.