Inapta (Por Fabiane Borges, na coluna Fêmea, via Outras Palavras)

151127-Fabi

“Sou desajustada desde o nascimento. Queria ajudá-lo a ser aquele pai de margarina, me olhar daquele jeito que olhou quando eu ainda nem sonhava em embarrigar daquele olhar. O bebê é bem vindo, a coisa mais linda que existe no mundo…”

Por Fabiane Borges, na coluna Fêmea | Imagem: John Nicholson

www.outraspalavras.net/destaques/inapta

Escorre mamadeira pela boca, pelas sobrancelhas, leite virado no fogão. É uma desordem. Todo cagado, o marido no sofá, meio deitado, letárgico se lamentando pela falta de sorte, de sexo, de drogas, de choqualho, de cuidado. Quer ser bebê.

Tudo uma desordem! Eu a inapta, só promessa, tantas que já não saberia nem elencar. Aquele filme que fiz na minha cabeça, que nunca filmei. Aquele roteiro que nunca escrevi, aquela distração toda que me dava ar de profundidade, agora soa a promessa velha, com cheiro de ferrugem, que não vale nada.

Estava um transtorno tentar mudar de classe, de raça, sair do buraco como quem respira no outro mundo, depois do buraco negro, mas não tinha nave, nem tecnologia, nem sequer talento. Inapta. A mais vulnerável das flores, um algodãozinho ramelento grudado no meu bolso. Tenho que pagar a conta na casa lotérica, mas estou aqui na frente do espelho dizendo INAPTA, você não tem para onde ir, a não ser afundar. É como um barquinho cheio de buracos numa praia paradisíaca. Bem antes de chegar na areia ele afunda, e todo aquele currículo, histórico de vida se precipita para o fundo do mar. Não sobra nem história para contar, não sobra nada, somente contar com o pulmão cheio de ar, boiar até morrer, ou ser salva por uma baleia branca, por um barco pesqueiro, por uma plataforma da Petrobrás que aparece ali no meio, como paisagem. Nado até a plataforma, viro petróleo, viro polvo, me agarro nas pernas da plataforma e grito por ajuda. Sim outro mundo, sim ser outra pessoa. Ser aquilo que vislumbrei um dia como a melhor das possibilidades: um polvo cheio de braços.

Ele chafurdava naquela lama insonsa, cada vez mais barrigudo, mais cervejeiro, mais atento às bundas. O príncipe virou um cachorro vira-lata cheirando tudo que é cu, tentado a engravidar mais gente ainda, como se não percebesse que sua porra é praga, que incha a barriga das pessoas, e depois custa caro colocar a comida na mesa, a criança na escola, na igreja. Daí reclama, o otário.

Eu sou inapta. Desajustada desde o nascimento. Uma fantasiosa delirante e estabanada, que não cuida de nada. Nem do currículo, nem do cubículo, nem do sovaco, dos vícios. Queria ajudá-lo a ser aquele pai de margarina e me olhar daquele jeito que olhou quando eu ainda nem sonhava em embarrigar daquele olhar. O bebê é bem vindo, a coisa mais linda que existe no mundo, deveria ter outra mãe e outro pai, coitado! Não essa dupla dessintonizada, precária e tão vulnerável…

Eu sabia que no fundo a culpa era toda minha. Não tinha sabedoria para dizer as coisas na hora certa, ou de sustentar minimamente uma expressão apaziguadora, pelo menos simpática, confortável. Nada. Sempre com a testa franzida, como se tivesse congelado em algum momento de dor, e não naquele dia alegre, que eu não tive que provar nada!! Eu lembro, passei o dia dormindo sem culpa. O dia inteiro dormindo, uma quarta feira onde todos trabalhavam, onde se ouvia som de buzina e de usina e de chacina. Aquele dia mesmo, com todos os problemas da vida, eu resolvi me ausentar, entreguei todas as responsabilidades e dormi como uma criança dorme, acorda, dorme, sonha, acorda, dorme, come, acorda, dorme e sonha e assim sucessivamente até as rugas descansarem e desgrudarem da pele, saírem elas mesmas sonhando, acordando, dormindo. Aquilo foi o dia mais feliz da minha vida. Lembro dos sonhos até hoje. Sonhos eróticos que me fizeram gozar enquanto dormia e sorria. Deve ter tido dia mais feliz que esse, eu só não lembro. Nesse tinha aquele ser de outro planeta me esperando com a mão erguida, daí eu subi sem medo com ele numa nave que era uma nuvem. E ali acima dos terrestres, a gente corria e se bulinava, até ele meter umas anteninhas bem pequenininhas que conectaram meu clitóris e meu mamilo. Não precisou de ejaculação, ele já era gozo e eu já estava nas nuvens. Não sei se foi esse dia que choveu no sertão da Bahia, mas lembro que acordei, e logo depois estava no sertão da Bahia colhendo flores, passeando no verde. Eu dizia: O sertão é maior que o mundo, o sertão é maior que o mundo! Coisa que li numa dessas literaturas de banheiro. Misturar tudo. Sonhar é tão bom. Faz tempo que não sonho.

Eu queria arte contemporânea, nome que espocava na minha boca como uma afta, uma cárie, o lugar onde minha língua se lambuzava, colocar a língua lá e dizer arte contemporânea, arte contemporânea. Não sei bem que momento essa herpes se grudou no meu lábio, deve ter sido naquele projeto do museu sem maré, que o rapaz de barba que parecia um mouro falava de potências, de obra-ação, de dispositivo, de cena expandida, de palavras que fizeram todo o sentido pra mim e que por fim, me tornaram artista. Fui arrebatada por aquela eloquência de mártir da arte, daquele D. Quixote convertido que falava em libertação das grades de ferro que cercam os museus. Talvez tenha sido ali que brotou dentro da minha boca essa cena contemporânea, e que por fim me levou a ter um filho com um artista fodido, que também falava em arte contemporânea, mas sem tanta exaltação quanto falava o mouro. Eu queria um filho mouro, mas fui ter um filho branquelo, com um artista sequelado, que agora sei, sabe falar em arte quando está na quarta dose de cachaça, e aí sim, brota um utopista.

Não é um lamento, não é culpa de ninguém, é só minha inaptidão. Inapta. Dizia na entrada da escola de arte. INAPTA. Isso me traumatizou mais do que a falta de dinheiro. Era a conclusão da instituição. Era a porta fechada na minha cara. Era a entrada vedada. A impedida, a eliminada, a inapta. Eu não seria artista de carterinha. Como até hoje não consegui, e não sou.

Desde a época da escola eu já sabia dessa sombra amiga. Não era a única a falar com a própria sombra, reconhecia outras pessoas tímidas como eu que eram inimigas do meio dia, porque ali não havia sombra. Foi com minha sombra que falei do mouro artista, da minha afta contemporânea, do meu vício de expressão, da necessidade de conhecer coisas diferentes só para poder expressar depois, mal e parcamente. Era um corpo sem talento e cheio de desejo, como é agora. Esse fracassado sentado no sofá foi uma aposta grande demais. Eu, a tímida das sombras achando que seria salva por um cachorro contemporâneo. Engravidar da porra estabanada do cachorro, não tirar na hora certa, me tornar de uma hora para outra a dona de casa que nunca quis, sempre fugi, e até minha sombra não anda mais aqui, me abandonou junto com a cárie, foi embora junto com o dente que tirei assim que o guri nasceu.

Fui acender um baseado outro dia, tomar um Domecq, fazer aquilo que eu fazia antes, ficar bêbada sozinha. Chapar o coco e começar a lembrar e imaginar. Era uma mania de pensar. Sentar numa calçada com minha frasqueira e me entreter com pensamentos serelepes, atropelados, uma animação na esquina da testa, e por fim ficar cantando quando ficava feliz. De repente aparecia uma paquera, as vezes beijo na boca e até mais ainda. Um sexo apressado no meio dos carros estacionados. Eu gostava dessas indescências como um lugar bom de visitar, como aquela pousada em Rio das Ostras, a pousada da Maria, que fazia festinhas escandalosas onde eu e ela ficávamos cantando as músicas de fossa da Ângela Rô Rô, desafinadas. Sentei na calçada para ver o que eu pensava agora.

No momento ainda lembrava da Maria me contando da sua amiga classe média carioca, toda intelectual, bem criada, cujo marido a largou por outra mulher. Ela não suportando a pecha de mulher traída, resolveu montar o maior cabaré da cidade do Rio das Ostras – Pantanal – e ali virou dona de bordel, colocou as filhas como prostitutas, contratou profissionais do sexo do Rio de Janeiro e do Espirito Santo. Entre um domecq e outro ela falava da vingança da amiga, que não trocou o homem por outro, mas por inúmeros, quiçá milhares. E lá naquele cabaré é que se resolviam todas as questões políticas, econômicas e imobiliárias da cidade.

Eu pensava nessa amiga da Maria, naquela intelectual que surpreendeu todo mundo, que virou referência do submundo, pensava na sua coragem, enquanto sentada na calçada já me preocupava em voltar para casa para arrumar a casa e aquecer o feijão. Pegar o filho na creche e tentar criar um jeito de me livrar daquele sofá, daquela barriga de cerveja, daquelas aftas na minha boca, esquecer tudo isso, todo esse sonho que não era para mim. Mais valia montar um prostíbulo contemporâneo, cheio de projetores, de luzes, de música eletrônica, de prostitutxs robotizadxs metade gente metade demente, metade gene do futuro. Eu sabia que estava devaneando, que esse prostíbulo seria minha próxima série de televisão mental. Não porque eu tivesse talento para seduzir alguma coisa, na verdade meu erotismo se foi com o mouro. Ladrão. Me encheu de sonho, de violão, de vontade de fazer currículo e portfólio. Me lançou nesse mato sem cachorro, sem curadoria, sem galeria, sem financiamento, sem academia. Eu que sou toda sem eira nem beira, tenho esse problema – fértil. Mente fértil. Óvulo fértil. Todos esses abortos e no fim, a depressão pós parto.

O bebê é lindo. Não é ele o problema. O problema sou eu que sou inapta. O bebê me salva, quando olho ele descobrindo o mundo, e crescendo todo o dia, enquanto eu diminuo, eu tento pensar no sentido de tudo isso. Ele me tira energia, junto com o pai. Porque fui covarde para tomar conta da minha própria vida, apostei nessa produção genética, isso é a única coisa que consigo fazer vingar. Também alguns vasos de flores. Por isso nada disso importa, porque mãe deprimida também ama. As vezes ama mais. Mas minha inaptidão não tem nada a ver com psicopatologia. Fazer sentimento virar capital é uma das idiossincrasias da farmácia. Não vou ceder à doença, enquanto sei que minha questão é de existência. Ou desistência. Talvez minha resistência seja só falta de paciência, talvez preguiça.

Toda essa inaptidão, essa falta de diploma e gabarito tinha a ver com essa falta de terreno, essa falta de herança. Pobre delirante, com mania de classe média, e com uma profunda consciência da própria exceção. Não adianta dizer que é falta de feminismo, é pura contingência. Feminista eu fui e sou, mas não tenho pragmatismo. Tirei as lentes da indignação e erroneamente tentei caminhos paralelos, apostando no meu excesso de imaginário. Tinha nome, eu era artista, mas daquelas especulativas, daquelas sombrias, que não sabe a relação entre conteúdo e concretude.

Mas está tudo bem, no final se não fosse minha mente promíscua, talvez se fosse só um pouco mais obsessiva, conseguiria dar conta de tudo, de sustentar minha vida, minha cria, minha arte e minha conta bancária. Se fosse menos silenciosa, promoveria mais minhas redes ilusórias. Viveria delas. Faria delas código, demanda, necessidade. Os outros as comprariam como quem compra pão e queijo. Me passou pela cabeça que, se fosse macho, não daria minha porra para qualquer um. Talvez eu seja lésbica. Talvez seja a conjuntura social, econômica e política da nação. O mundo está atrasado demais para mim.

Não sonho porque me apaixonei e neguei toda a tradição, toda escolha da família dismilinguida, virei órfa naquele tempo do sertão de poeira e sol, sem muita proficiência, a paisagem.

Compartilhe
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Contact us

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *