Quanto custou o silêncio da história de FHC com Miriam Dutra? (Por Kiko Nogueira/via DCM)

Por Celso Vicenzi.

O único erro – como provam tantos casos – que um político não pode cometer é trair uma mulher. Sai muito caro!

Como diz o samba “Mulher traída” do Grupo Revelação:
“Muito mais perigosa que bala perdida – é mulher traída!
Ela joga granada e depois sai batida – é mulher traída!
Coloca o chumbinho preparando a comida – é mulher traída!
Adora dar banho de água fervida – é mulher traída!”

Sim, eu sei que os homens são infinitamente mais violentos e matam com muita facilidade. É só um pouco de humor, pra rir dos falsos moralistas, dos que pensam que são éticos só porque estão blindados pela mídia.

Miriam aguentou até os 84 do segundo tempo, mas o príncipe foi casar com a nova secretária… pois é…deu nisso!

Mas, à parte esse “folclore” dos afetos e de problemas conjugais e sexuais que não são novidade para boa parte da humanidade, o que importa, de fato, é a questão de, provavelmente, usar dinheiro público para calar as empresas de comunicação. Quanto não rolou de verba farta e fácil para guardar este e outros segredinhos?

Estaria o juiz Moro interessado no caso? Ou o Ministério Público? A Polícia Federal? Duvido! Para eles, só existem corruptos e corrupção no Brasil a partir do governo Lula, mesmo tendo sido FHC quem promoveu a maior venda de patrimônio público a preço de banana. Com 10% da investigação que fazem à Dilma e Lula, o país ficaria estarrecido se fossem atrás de FHC e boa parte dos tucanos e da oposição hipócrita que se fingem de honestos.

Lembrando que contra Dilma e Lula, os mais investigados da história desse país, ainda não encontraram nada que pudesse ser caracterizado como crime. E olha que eles forçam a barra nas suspeitas…

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/quanto-custou-o-silencio-da-historia-de-fhc-com-mirian-dutra-por-kiko-nogueira/

Compartilhe
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Contact us

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *