Craques que não lideram

Craques que não lideram

Messi, solitário, mais que solidário. 

Por Celso Vicenzi – 28/6/2016.

Alguns nascem com um talento excepcional para o futebol, como é o caso do brasileiro Neymar. Talento, no entanto, não é tudo para vencer. É preciso firmeza, motivação, estabilidade emocional e capacidade de decisão, entre outras virtudes. Melhor ainda quando agrega-se a tudo isso um espírito de liderança.

Nem todos os craques são líderes. Zinedine Zidane era um deles e levou a França a seu primeiro título em uma Copa do Mundo, em 1998. Pelé, o maior de todos os gênios do futebol, não era capitão nem no Santos e nem na seleção. Dunga, a quem falta provar competência como treinador, foi um leão dentro do gramado. Símbolo de uma seleção de poucos predicados, derrotada em 1990 na Itália, não caiu no ostracismo. Deu a volta por cima e tornou-se tetracampeão do mundo, quatro anos depois, nos Estados Unidos.

Faço essa introdução para falar do desapontamento que tive com o Messi, domingo, na derrota da seleção argentina para o Chile. Não, não me refiro ao pênalti perdido, pois ninguém é perfeito e craques também erram. Baggio na final da Copa de 1994 que o diga. Costumo dizer que craques brincam com a bola e quando erram, é a bola  que brinca com os craques.

Messi é capitão da seleção argentina porque é um craque, não porque é um líder. O que me desapontou foi ver como alguém que já conquistou tudo como atleta, não consegue ser solidário com seus companheiros na hora da derrota. Tão logo confirmou-se que o seu pênalti e o do companheiro Biglia foram decisivos para a derrota, o seu gesto, imediato, foi o de  tirar a braçadeira de capitão e sentar-se, sozinho no banco de reservas, enquanto seus companheiros permaneciam em campo, trocavam abraços entristecidos e recebiam o consolo até mesmo de jogadores rivais, depois de uma final duríssima, marcada por expulsões e jogadas ríspidas. Um duelo em que o Chile mostrou que futebol exige boas doses de talento, mas também vontade e disposição infinitas, para não se deixar abater e perseguir incansavelmente a vitória. Há muitos exemplos de equipes que mesmo inferiores ou com jogadores a menos em campo, souberam pôr o coração na ponta da chuteira e escreveram seus nomes na história.

Ter um capitão que não use apenas uma braçadeira, mas lidere uma equipe, é fundamental. E algumas atitudes são emblemáticas. O que se poderia esperar de Messi após a decisão? No mínimo que fosse solidário, dando um abraço em cada companheiro, incentivando um por um a levantar a cabeça, aceitar a derrota e seguir em frente, pois a vida continua e haverá outras chances de levar o país à vitória. Nem precisaria pedir desculpas pelo erro, porque todo atleta sabe que isso acontece com qualquer um que seja escalado para esse momento em que a confiança e o controle emocional costumam pesar mais do que a técnica.

Messi mostrou ao mundo o quanto ainda é fraco emocionalmente quando tem sobre seus ombros a responsabilidade de liderar sua seleção rumo à glória. Talvez seja por essa fragilidade emocional que, apesar de ser o melhor jogador do mundo, por  vários anos, não consegue levar os argentinos a uma conquista importante. A última foi há 23 anos. Quanta diferença de atitude, por exemplo, em comparação com o desbocado e pouco regrado Maradona! Sim, cada craque à sua maneira, mas um líder se impõe, sobretudo, nos momentos decisivos.

Um líder não é garantia de vitória para um time ou uma seleção, mas, não raro,  costuma levar equipes modestas a resultados surpreendentes. E, nos casos de resultados insatisfatórios, dignifica a derrota. Como não lembrar de Beckenbauer jogando com uma tipoia improvisada contra a Itália, na Copa de 1970, no México? Jogou com o braço enfaixado desde os 25 minutos do segundo tempo e levou a seleção a buscar um empate que levou a uma prorrogação com cinco gols, em que os italianos venceram por 4 a 3, numa semifinal emocionante. Perdeu a Alemanha, mas Beckenbauer eternizou-se como um grande líder, capitão da seleção por 10 anos e campeão da Copa do Mundo de 1974.

Nem é preciso ser capitão de uma equipe para liderar. Aliás, melhor ainda quando há vários deles em campo, que se somam para superar obstáculos. Como esquecer da cena eternizada por Didi, na Copa de 1958, na Suécia? Os donos da casa saíram à frente no placar. Didi, com a dignidade de um príncipe negro, foi buscar a bola no fundo da rede, colocou-a  embaixo do braço e caminhou calmamente até o meio de campo para dar reinicio ao jogo, exortando os companheiros a manter a calma e buscar a vitória, que acabou por se concretizar com uma goleada de 5 a 2.

A falta de um líder em campo é sempre preocupante, pois aumentam as chances de um infortúnio. Assim como a derrota em 1950 é inesquecível, também será impossível apagar o maior vexame da seleção brasileira com a goleada de 7 a 1 diante da seleção alemã, na Copa de 2014 – a segunda disputada no Brasil. Pior do que o placar elástico, neste caso, foi a resignação dos jogadores diante de uma derrota acachapante. O desastre já dera sinais muito antes. O capitão Thiago Silva, tornou-se símbolo de uma seleção insegura. Na linguagem futebolística, a equipe  “amarelava” em campo. Na disputa por pênaltis contra o Chile, o capitão brasileiro permaneceu sentado em uma bola, à beira do gramado, rezando, longe de seus companheiros durante a sequência de pênaltis, vencida pelo Brasil. Como pode ser capitão de um time alguém que não tem estrutura emocional para segurar o rojão?  Alguém que, longe de inspirar e incentivar, preferem afastar-se dos companheiros nas horas mais críticas?

Messi é gênio, é o melhor jogador de futebol do mundo, mas pode também entrar para a história como um craque que não soube liderar a seleção de seu país a um título internacional expressivo. Perdeu as finais de três edições da Copa América (2007, 2015 e 2016) e a Copa do Mundo de 2014. Sim, os deuses do futebol são cruéis, às vezes. Mas que mal há nisso quando se sai de campo de cabeça erguida? Sem mimimi, sem chororô? Derrotas, a depender das circunstâncias, também engrandecem currículos.

O craque argentino, ainda no calor de mais uma derrota, anunciou que vai deixar a seleção. Tomara que volte atrás e que, perdendo ou ganhando as próximas competições, os argentinos e todos nós possamos lembrar dele como um genial atleta, infeliz em decisões de títulos, mas um guerreiro, solidário, que não se entrega e não abandona a luta. Mesmo não sendo um líder.

Compartilhe
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Contact us

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *