Luis Barroso: “criamos uma sociedade cheia de ricos delinquentes”

Circula nas redes sociais, via Mídia Ninja.

“O sistema punitivo brasileiro não funciona como prevenção geral para os ricos (…) Nós criamos uma sociedade cheia de ricos delinquentes. Ricos que sonegam, ricos que fraudam licitação, ricos que subornam, que fazem lavagem de dinheiro e portanto nós precisávamos criar um sistema penal que valesse pra todo mundo (…) Precisamos mudar o patamar ético do Brasil”. Ministro Luis Barroso.

#TambémÉViolência: 3 em cada 5 mulheres são vítimas de relacionamento abusivo

Feministas posam para a campanha #TambémÉViolência (Foto: Camila Cornelsen)

Feministas posam para a campanha #TambémÉViolência. Foto: Camila Cornelsen.

Via Marie Claire – 23/9/2016.

“Campanha criada pela ONG Artemis joga luz sobre violências silenciosas, que nem sempre deixam marcas visíveis, mas aprisionam milhões de mulheres no Brasil. Com ato nacional, feministas pretendem exigir dos tribunais o reconhecimento de denúncias de agressões psicológicas e morais.”

Leia mais:

http://revistamarieclaire.globo.com/Noticias/noticia/2016/09/tambemeviolencia-3-em-cada-5-mulheres-sao-vitimas-de-relacionamento-abusivo.html

Vídeo: Ciro Gomes explica os motivos do golpe

Circula nas redes sociais – setembro/2016 – via Cirão da Massa/Ciro Gomes.

Ciro Gomes conta os motivos secretos do impeachment

Além da insatisfação do povo com a incompetência do Governo Dilma em vários aspectos, o impeachment teve os seguintes motivos (estes ocultos): 1) Parar a Lava Jato; 2) Tornar a economia mais favorável aos bancos e rentistas, e evitar uma crise bancária no futuro; 3) Fazer o Brasil voltar a ser uma neo colônia dos Estados Unidos, que agiu para que o impeachment acontecesse.

Veja o vídeo:

https://www.facebook.com/ciraodamassa/videos/1099650676760658/?hc_ref=NEWSFEED

ragão: “estamos sentados sobre os escombros do sonho de construir um estado democrático, justo e solidário” (por Marco Weissheimer, no Sul21/via O Cafezinho)

Brasília -  O ministro da Justiça, Eugênio Aragão inaugura as sessões de trabalho das comissões de 2016, lembrando os 52 anos do golpe militar de 1964 (Wilson Dias/Agência Brasil)

Por Marco Weissheimer, no Sul21/via O Cafezinho – 26/9/2016.

Membro do Ministério Público Federal desde 1987, subprocurador da República e ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff durante dois meses, Eugênio Aragão é hoje um dos mais duros críticos dos procedimentos adotados pela Operação Lava Jato que, em vários casos, ultrapassaram as fronteiras da legalidade, como foi o caso da escuta da presidenta da República autorizada e divulgada para a imprensa pelo juiz Sérgio Moro. Em entrevista ao Sul21, Eugênio Aragão define a Lava Jato como “uma das operações mais tortuosas da história do Ministério Público. “A gente sente claramente que os alvos são escolhidos. Há delações claras em relação a outros atores que não pertencem ao grupo do alvo escolhido e que simplesmente não são nem incomodados. Em relação aos alvos, a operação chega a ser perversa e contra a dignidade da pessoa humana”, critica.

Para Eugênio Aragão, o Brasil vive uma onda de fascismo maior talvez que a vivida no período da ditadura militar e o Judiciário e o Ministério Público tem responsabilidade por isso: “O Judiciário tem um problema muito sério: é o poder mais opaco de todos, não tem transparência nenhuma e é muito alienado quanto ao déficit de acesso à Justiça que existe no Brasil. Parece que vive em outro mundo”. O ex-ministro acredita que foram cometidos graves erros no recrutamento de atores importantes nas instituições do Judiciário. “A maioria dos ministros do STF têm uma dificuldade muito grande de enfrentar a opinião pública”, exemplifica.

Aragão critica o discurso que afirma que tudo está podre, tudo está corrupto, assinalando que esse é, historicamente, o discurso de todo governo fascista. E reafirma suas críticas ao juiz Sérgio Moro, dizendo que ele está ultrapassando os limites do Direito Penal. “É uma volta às Ordenações Filipinas, na medida em que expõe as pessoas como troféus do Estado, fazendo-as circular pelas ruas com baraços e pregão para que todo mundo possa jogar tomates e ovos podres em cima delas. Isso é o que ocorria na Idade Média”.

Leia a entrevista:

http://www.ocafezinho.com/2016/09/26/aragao-estamos-sentados-sobre-os-escombros-do-sonho-de-construir-um-estado-democratico-justo-e-solidario

Dallagnol culpa portugueses por corrupção no Brasil. É que ele não conhece a Austrália, coitado. (por Fernando Brito/via Tijolaço)

firstfleet

Por Fernando Brito – 25/9/2016 – via Tijolaço.

“O promotor Deltan Dallagnol, narra a jornalista Maria Cristina Fernandes, no Valor, diz que a origem da corrupção no Brasil está nos primeiros colonos portugueses que, segundo ele, eram a escória:

 “Quem veio de Portugal para o Brasil foram degredados, criminosos. Quem foi para os Estados Unidos foram pessoas religiosas, cristãs, que buscavam realizar seus sonhos, era um outro perfil de colono”.

Paulo Henrique Amorim, em vídeo publicado no Conversa Afiada, diz que o chefe da lava Jato é um idiota.

O Dr. Dallagnol é pior, é um ignorante.”

Leia mais:

http://www.tijolaco.com.br/blog/dallagnol-culpa-portugueses-por-corrupcao-no-brasil-e-que-ele-nao-conhece-australia-so-o-moro