Educação na família e na escola: quem ensina o quê?

Circula no Facebook – janeiro/2017.
A imagem pode conter: texto

Coloquei ontem, na parede da escola, estes lembretes aos pais que estão confirmando a matricula de seus filhos.
Já houve pronunciamentos pró e contra o que está escrito. Uma mãe insistiu que tudo aquilo deve-se aprender na escola. Até concordo que na educação infantil(maternal, pré-jardim e jardim de infância) sejam abordados esses temas. Mas, no Ensino Fundamental a criança já deve trazer essa bagagem para a escola, visto que, já não aceitam ser corrigidos quando se comportam de forma inadequada. E isso é recorrente. São situações que enfrentamos todos os dias. A parte comportamental da educação, indiscutivelmente, aprende-se em casa, independente de condição social, crença ou qualquer coisa. Nesse mister, os pais são insubstituíveis. Até porque, os professores, na maioria, são pais e já têm os seus filhos para educar.

Zero à esquerda

Cartaz-crônica-zero-à-esquerda

Muito fácil encontrar cartazes, folhetos e até notícias com um zero antes das datas. (imagem capturada na internet).

Por Celso Vicenzi – 9/12/2016.

Fui um péssimo aluno de Matemática. Isso para não contar que as disciplinas de Física, Química e Geometria também atormentaram meus dias de colégio. Mas do pouco que gravei dos números e equações que me foram apresentados, nunca esqueci que zero à esquerda não tem nenhum valor. Vale até para xingamento: “Você é um zero à esquerda!” Ou seja, não acrescenta nada.

O mundo, portanto, sempre viveu muito bem sem um zero à esquerda. Pelo menos até décadas recentes, quando não se sabe de onde nem por quem – dizem as más línguas que surgiu entre publicitários, mas não há prova – eis que o zero à esquerda ganha um status nunca antes imaginado em cartazes, banners, flyers e outras peças gráficas. É parente não muito distante da disseminadíssima hora digital que também não existe (ex.: 20:00 com ou sem h), mas isso são outros quinhentos! Que, aliás, têm dois zeros, mas todos à direita.

Não satisfeito em marcar presença em outdoors, folhetos, cartilhas e outros materiais gráficos, o zero à frente de datas tem sido utilizado com frequência em releases, notícias, artigos e outros textos jornalísticos. Portanto, quando você imagina que nada poderia ser pior, vários jornalistas – redondamente enganados – fazem questão de demonstrar o contrário.

Assim, sem mais nem menos, multiplicam-se, todos os dias, em publicações impressas ou digitais, exemplos de datas com zero à esquerda. Por exemplo: em 05 de janeiro – ou outro mês – algo foi ou será realizado em algum lugar.

Ora, o que um zero faz à frente de uma data, sem nenhuma utilidade? Existirá, por acaso, sem que eu saiba ou tenha sido comunicado, o dia zero cinco de janeiro? Ou de agosto? Não importa o mês. Eu só conheço o dia 5 de janeiro, o dia 8 de novembro, o dia 7 de setembro (tá bom, esse todos conhecem!) e assim sucessivamente.

Quem pousou, afinal, todos esses zeros antes das datas? Algum extraterrestre? E, pior, sem que causasse, pelo visto, nenhum estranhamento entre humanos leitores e leitoras, posto que continuam a ser largamente empregados na publicidade, no jornalismo, nas redes sociais e em outros lugares não sabidos por tanta gente que se considera sábia.

Sabemos que surgiu, primeiramente – ou supostamente –, em balanços contábeis, onde, se não fazia muita diferença à totalidade das somas, ajudava a ordenar as colunas de números. Graficamente, um abaixo do outro, números de uma e duas dezenas “equilibravam-se” melhor quando acrescentava-se um zero à esquerda dos números de um a nove. Mais tarde vieram os computadores, também “viciados” em zeros à esquerda. Não raro, você não conseguia preencher uma data com menos de dois dígitos, em determinados campos, se não colocasse, antes, um zero. O programa exigia.

Como teriam saltado – de paraquedas? – para as peças gráficas e textos jornalísticos é um mistério a ser desvendado. Pode valer um prêmio de reportagem!

O certo é que não dá mais para continuar a pôr venda nos olhos e fazer de conta que ninguém vê.

– Zero à esquerda, saia já daí, com as mãos para o alto! E pare este assalto.

Pelo menos, ao bom senso.

‘Tire seus rosários dos meus ovários’: decisão da Justiça de Goiás reitera direito de manifestação feminista (por Débora Prado/via Agência Patrícia Galvão)

 A frase das alunas já foi usada em uma campanha da Articulação Feminista Marcosul

A frase que gerou investigação em Goiás já foi usada em campanha da
Articulação Feminista Marcosul.

Por Débora Prado/via Agência Patrícia Galvão – 28/9/2016.

Relevante decisão do Poder Judiciário em Goiânia reafirmou o direito constitucional à livre manifestação do pensamento, ressaltando a importância do Estado laico e democrático.

Leia mais:

http://agenciapatriciagalvao.org.br/direitos-sexuais-e-reprodutivos/tire-seus-rosarios-dos-meus-ovarios-decisao-da-justica-de-goias-reitera-direito-de-manifestacao