Autora de tese de doutorado sobre Mr. Catra critica pensamento “elitista e preconceituoso”

Mylene Mizrahi (de blusa rosa, no centro), em baile funk na Fundação Progresso, no Rio, durante a elaboração de sua tese de doutorado | Arquivo pessoal

Mylene Mizrahi (de blusa rosa, no centro), em baile funk na Fundação Progresso, no Rio, durante a elaboração de sua tese de doutorado – Foto: Arquivo pessoal.

Via Gazeta do Povo – 17/6/2017.

Após ser citada em matéria da Gazeta do Povo , Mylene Mizrahi diz “que o costume de querer ditar o que é ou não é cultura perdura entre as elites”.

Leia mais:

http://www.gazetadopovo.com.br/educacao/autora-de-tese-de-doutorado-sobre-mr-catra-critica-pensamento-elitista-e-preconceituoso-9jxaz85j3uucblcipuyve3r5j

Antropólogos lançam estudo sobre índios gays no Brasil (por Elenice Dueñas/via Jornal Já)

Por Elenice Dueñas – 5/6/2017 – via Jornal Já.

Revelador, pioneiro e reflexivo, “Gay Indians in Brazil: Untold Stories of the Colonization of Indigenous Sexualities” (Índios Gays no Brasil: As Histórias Não Contadas da Colonização das Sexualidades Indígenas) é o novo título que chegou ao mercado editorial internacional neste ano como um convite ao debate sobre alguns tabus.

Livro de autores brasileiros, lançado pela editora suíça Springer International Publishing, uma das maiores editoras científicas do mundo, tem como base a pesquisa para a tese de doutorado em antropologia do professor e pesquisador Estevão Rafael Fernandes, da Universidade Federal de Rondônia. A publicação traz a parceria da antropóloga gaúcha Barbara Maisonnave Arisi, atualmente pesquisadora visitante na Vrije Universiteit Amsterdam e professora da Universidade Federal da Integração Latino-Americana.

http://www.jornalja.com.br/indios-gays-no-brasil-historias-nao-contadas-sobre-a-colonizacao-das-sexualidades-indigenas

10 fotógrafos de rua para seguir no Instagram (por Cid Costa Neto/via iphotochannel.com.br)

Foto: Gül Yildiz.

Por Cid Costa Neto – 16/6/2017 – via iphotochannel.com.br.

A fotografia de rua é uma categoria que encanta pela captura de momentos do cotidiano urbano de maneira espontânea. Se você gosta desse tipo de imagem, esta é uma lista de fotógrafos emergentes e profissionais já consagrados que vale a pena acompanhar através do Instagram.

Leia mais:

 http://iphotochannel.com.br/fotografia-de-rua-2/10-fotografos-de-rua-para-seguir-no-instagram?utm_content=buffer98dee&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer

 

 

Nossa Casa – Saberes Sistêmicos, Conversa e Cultura inaugura espaço dia 23 de junho no Pantanal

Florianópolis passa a ter, a partir do dia 23 de junho, um novo endereço para quem procura abordagens terapêuticas multidisciplinares, que incluem grupos regulares (abertos e fechados), com Constelações Familiares, Pathwork, Encontros de Meditação e Respiração Consciente, Palestras, Cinema, Workshops, Café com Filosofia, Encontros com Educadores e atividades culturais – entre outras.

Essas são algumas das atividades da Nossa Casa – Saberes Sistêmicos, Conversa & Cultura, localizada na Rua Frederico Veras, 140, no Pantanal, em Florianópolis. Sua programação de inauguração inicia-se no dia 23 de junho e vai até 4 de julho, com destaque para o Workshop “Caminhos para a Abundância”, com a terapeuta Djanira Cavalcante. “Muitas das atividades serão gratuitas, o que permitirá ao público conhecer um pouco mais da proposta de trabalho da Nossa Casa, os profissionais que estarão à disposição, regularmente, e a programação com convidados especiais”, explicou Evanilde Torres, terapeuta e coordenadora do novo espaço.

Na programação da primeira semana, entre outras atividades, haverá uma palestra sobre “Amor em Tempos de Crise”, com Evanilde Torres; Meditação e Respiração Consciente, com Gilvan Pedra; a Palestra “Saberes Sistêmicos na Educação”, com Letícia Torres da Silva e Vinicius Vicenzi; e sessão de cinema com o filme “Invictus”, seguido do debate “Mandela, uma inspiração”, com Evanilde Torres e Gilvan Pedra. “Queremos ser um espaço de transformação pessoal e coletiva”, resumiu o filósofo e educador Vinicius Vicenzi, um dos idealizadores do projeto. Ele acrescentou que a Casa vai estar aberta a parcerias com outros profissionais, para abordagens terapêuticas, lançamentos de livros, oficinas e outras atividades.

Confira, a seguir, a programação inicial da Nossa Casa:

Sexta-feira, 23/6 – 11 horas, Open House: “Saberes Sistêmicos” – conversa e cultura com Evanilde Torres, Gilvan Pedra, Letícia Torres da Silva e Vinicius Vicenzi. Às 17 horas, “Celebração da Lareira”, com Evanilde Torres e Vinicius Vicenzi.

Sábado, 24/6 – 9 às 18 horas – Workshop: “Caminhos para a Abundância”, com Djanira Cavalcante.

Domingo, 25/6 – 9 às 12h30 – Workshop: “Caminhos para a Abundância”, com Djanira Cavalcante.

Terça-feira, 27/6 – 19 às 22 horas – Palestra “Saberes Sistêmicos na Educação” (gratuita), com Letícia Torres da Silva e Vinicius Vicenzi.

Quarta-feira, 28/6 – Das 19 às 19h45 – “Meditação e Respiração Consciente”, com Gilvan Pedra (atividade gratuita). Das 20 às 21h30 – Café com Filosofia, com Vinicius Vicenzi (atividade gratuita).

Sexta-feira, 30/6 – 19 às 22 horas – Cinema na Nossa Casa: “Mandela, uma inspiração”. Filme: Invictus. Ao final, sessão comentada, com Evanilde Torres e Gilvan Pedra (atividade gratuita).

Sábado, 1/7 – 16 horas – Palestra: “O Amor em Tempos de Crise”, com Evanilde Torres. Às 17h30: Show musical com “Dueto Passarando” e degustação de “caldinho para esquentar o coração” (R$ 50,00).

Terça-feira – 4/7 – Palestra aberta “Pathwork: o caminho da transformação” com Evanilde Torres e Monique Hanauer.

Informação, manipulação e ideologia

Resultado de imagem para imagens de manipulação da mídia

Foto: blogs.odiario.com

Por Celso Vicenzi – 14/6/2017.

Vivemos uma era em que tudo circula muito rapidamente nas redes sociais e é possível que, em algumas situações sejamos enganados sobre a veracidade de uma notícia ou de parte dela.

Claro, quanto mais críticos e bem informados, menores os riscos. Quando acontece e o internauta é idôneo, pede desculpas, corrige e retifica o mais rapidamente possível.

É diferente a situação de quem apura uma informação e tem a obrigação de ser o mais fiel possível aos acontecimentos e às fontes, daquela de quem lê uma notícia, um artigo etc e eventualmente divulga. Ninguém em sã consciência pode afirmar que os internautas vão dispor de tempo e meios para conferir se cada informação foi bem apurada ou não. Você confia mais em algumas fontes, em outras menos, mas ninguém está imune a erros.

Em muitos casos, as informações podem até ser verdadeiras, mas não estão contextualizadas suficientemente ou só contam uma parte.

Num país em que os grandes veículos de comunicação não têm se pautado, em grande parte, pela correta apuração técnica, pela necessária contextualização dos fatos, mas pelo protecionismo que oferecem a alguns e ataques desproporcionais disparados contra outros (situação que piorou muito nos últimos anos), divulgar o que outras correntes de opinião produzem é fundamental à democracia.

Os blogs e portais mais à esquerda também podem incidir nesses erros – embora tenham um peso muito menor e, portanto, de menor gravidade. O problema é que tem gente que só vê ou comenta os eventuais erros e equívocos de blogs e portais que se contrapõem ao jornalismo que se faz na grande mídia e, principalmente, não se ocupa da questão principal, que é o projeto de país que se desenha por trás de cada notícia ou opinião. Se é um modelo inclusivo, que pretende dar voz e vez à maioria da população, ou se aponta para a preservação de interesses de uma minoria privilegiada, num país que já é um dos 10 mais desiguais do planeta. É preciso ter sempre presente o que é o centro de todo o debate ou se entra em superficialidades, subterfúgios e sofismas.