Frases que mulheres que gostam de esportes têm que escutar (por Álvaro Llorca/via El País)

Jogos Olímpicos Rio 2016

Corinne Diacre, ex-jogadora francesa de futebol e atual técnica do Clermont Foot Auvergne, da segunda divisão. É a primeira mulher a dirigir uma equipe profissional no país. (Foto: Thierry Zoccolan/AFP).

Por Álvaro Lorca – 4/8/2016 – via El País.

Alguns clichês impedem o avanço da visibilidade feminina no mundo esportivo.

Leia mais:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/13/deportes/1465813838_731447.html

As vaias ao francês Lavillenie mostram que a cultura do ódio triunfou entre nós (por Paulo Nogueira/via DCM)

Nem as lágrimas do derrotado comoveram os brasileiros

Nem as lágrimas do derrotado comoveram os brasileiros

Por Paulo Nogueira – 16/8/2016 – via DCM.

“O brasileiro está doente. Socialmente doente. Foi chocante, foi depressivo ver as vaias ao francês Renaud Lavillenie na noite em que o brasileiro Thiago Braz recebeu no Estádio Olímpico sua medalha de ouro.

Os sociólogos terão que reescrever o nosso perfil. Éramos um povo cordial, segundo os especialistas.

Somos hoje uma nação de gente cheia de ódio.”

Leia mais:

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/as-vaias-ao-frances-lavillenie-mostram-que-a-cultura-do-odio-triunfou-entre-nos-por-paulo-nogueira

Por que criticar a abertura das Olimpíadas me torna um pária neste sábado? (por Leonardo Sakamoto/via blog do Sakamoto)

Invasão portuguesa na terra que era ocupada por indígenas - o "invasão" não foi meu, mas de Glória Maria, na transmissão na noite desta sexta (5). Foto: Issei Kato/Reuters

Por Leonardo Sakamoto – 6/8/2016 – via blog do Sakamoto.

“Utilizar esses momentos também para refletir sobre o abismo entre a imagem de país que gostamos de vender ao mundo e o país que realmente somos é fundamental. Para que possamos aproximar desejo e realidade o máximo possível e tornar a efetivação da dignidade algo cotidiano.”

Leia mais:

http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2016/08/06/por-que-criticar-a-abertura-das-olimpiadas-me-torna-um-paria-neste-sabado

Quatro maneiras de usar a vitória de Rafaela Silva para confirmar o que você já pensa (por Thiago Guimarães/via BBC Brasil)

Rafaela Silva

Rafaela Silva celebra o ouro na categoria de 57 kg no judô na Olimpíada do Rio; vitória narrada por diferentes ângulos, a depender do gosto do autor. Foto: Getty Images.

Por Thiago Guimarães – 9/8/2016 – BBC Brasil em Londres.

“A trajetória épica da judoca Rafaela Silva, das favelas do Rio de Janeiro à consagração olímpica em sua cidade natal, forneceu ao Brasil um cardápio de interpretações, para todo tipo de gosto político e ideológico.

A negra humilde que sofreu e venceu o racismo. A sargento que provou o valor da disciplina militar. A beneficiária de apoio estatal que atesta o poder dos programas sociais. A mulher obstinada que não precisou do feminismo ou de cotas em seu caminho de superação individual.”

Leia mais:

http://www.bbc.com/portuguese/brasil-37022870?ocid=socialflow_facebook

Não, esse ouro não é do Brasil, é de Rafaela Silva! (por Gislene Ramos/via redes sociais)

Circula nas redes sociais, por Gislene Ramos – 9/8/2016.

“É OURO DO BRASIL”

NÃO! Esse ouro é de Rafaela Silva!

O Brasil odeia Rafaelas Silva.
O Brasil encarcera Rafaelas Silva.
O Brasil espanca Rafaelas Silva.
O Brasil estupra Rafaelas Silva.
O Brasil assedia Rafaleas Silva.
O Brasil nega emprego a Rafaelas Silva.
O Brasil negligencia Rafaelas Silva.
O Brasil acha ruim o cabelo de Rafaelas Silva.
O Brasil segura a bolsa perto de Rafaelas Silva.
O Brasil é “praticamente da família” de Rafaelas Silva.
O Brasil bateu panelas pelo fim de Rafaelas Silva.
O BRASIL ODEIA RAFAELAS!

Então, Brasil… o ouro é das Rafaelas que lutam diariamente,
nos tatames e fora deles!
#ÉPelaVidaDasMulheres#MulheresNegras #MulheresFortes#LuteComoUmaMulher #RafaelaSilva#Orgulho #LutemosRafaelas

https://www.instagram.com/p/BI3N8yYBYnXTokYd7P_OOgCt-jQ4H0_D9y5ZNo0/?fb_action_ids=1204482456284289&fb_action_types=instapp%3Atake&fb_ref=ogexp&fb_source=other_multiline&action_object_map=%5B1188332724541531%5D&action_type_map=%5B%22instapp%3Atake%22%5D&action_ref_map=%5B%22ogexp%22%5D

O futebol como retrato de uma nação

 

Neymar cai, cercado por quatro jogadores do Iraque Eraldo Peres / AP

Por Celso Vicenzi – 8/8/2016 – Foto de Eraldo Peres/AP/O Globo.

O retrato da seleção masculina de futebol é, de certa forma, o retrato do país

Dizem que uma imagem vale por mil palavras. Nem sempre, mas, às vezes, resume melhor tudo o que se quer narrar. Eraldo Peres, da Associated Press, clicou esta foto, acima, que é um retrato do futebol brasileiro nos dias de hoje. Da queda do futebol. Da aposta no individualismo, que quase sempre perde diante da força coletiva. Falo do futebol masculino, porque as nossas meninas têm demonstrado o oposto disso.

Não fomos capazes de vencer o Iraque (quase perdemos), um país sem tradição no futebol, arrasado por uma guerra e por conflitos de todos os tipos, com 11 atletas em campo que ganham, provavelmente, menos do que os nossos principais craques da seleção, que já foi chamada de “canarinho”, mas que, atualmente, não canta nem encanta, desafina.

Sempre me irritavam as transmissões globais e “outras que tais”, em que os narradores dos jogos de futebol na televisão teciam exagerados e constantes elogios ao craque brasileiro, por seu talento individual, em detrimento do restante da equipe. Em repetidos jogos de nossa seleção, em que era  cristalina a falta de entrosamento e a incapacidade de fazer um jogo mais coletivo, nossos narradores insistiam na aposta da superação individual, na esperança que, com um ou mais craques em campo, sempre se poderia esperar por uma jogada genial que haveria de mudar o placar. Vã esperança, na maioria das vezes. E, quando isso acontecia, não raro, era resultado de uma equipe que também soube jogar coletivamente, dando espaço às improvisações apenas quando elas eram recursos essenciais para se chegar à meta adversária. Nos gramados e na política, parece que estamos sempre em busca de “salvadores da pátria”. Será que não aprendemos nada depois dos 7 a 1 da Alemanha? Bola de pé em pé, jogadores que estão sempre próximos um do outro, passes e tabelas que valem mais do que desorganizadas improvisações, marcação incansável, nenhuma disposição para desistir de uma jogada para simular uma falta. O trabalho, o esforço e a disciplina se sobrepondo ao “jeitinho”. Mas sem abdicar da técnica, afinal, não faço aqui o elogio da mediocridade.

Observe um jogo do campeonato italiano, inglês, francês ou alemão. Não há cera, antijogo, jogador caindo ao menor contato físico e, quando cai, levanta rapidamente. O atleta brasileiro, ao contrário, ao menor contato físico, parece acometido de uma incontrolável vontade de se atirar ao chão. Na maioria das vezes, a teatralização é tão impactante que parece ter sido uma grave contusão. E obriga o juiz a parar o jogo, chamar o departamento médico para, logo em seguida, ficar evidente que o choque não era tão sério quanto o simulado. Talvez Freud explique. Parecem adultos mimados, que exigem permanente atenção para si. O exibicionismo à flor da pele e a força mental tão frágil diante da adversidade.

OK, alguém poderia contra-argumentar que somos pentacampeões do mundo justamente porque nossas estrelas sempre desequilibraram em jogadas individuais, sobretudo no improviso do drible. É meia-verdade, porque sempre esquecemos dos “carregadores de piano” tipo Dunga, Cerezo, Cafu e tantos outros que compensavam o menor talento com uma força de vontade descomunal. E mesmo entre os craques de outros tempos, parece-me que havia menos “estrelismo” e mais vontade de honrar a camisa. Uma derrota incomodava, envergonhava. Hoje o craque, não raro, perde um jogo importante ou um título e sai direto para a balada.

Fama, poder e dinheiro podem ser muito tóxicos para quem não recebeu, desde os primeiros anos de vida, a necessária estrutura para lidar com tanto sucesso, sobretudo em tão tenra idade. O glamour vicia. Mas, numa profissão em que tudo pode mudar tão rápido e dura tão pouco, o auge e a queda estão mais próximos do que percebe a maioria de nossos craques.

Por razões históricas, boa parte dos brasileiros não valorizam o trabalho. Principalmente entre aqueles que nasceram nas classes média e rica. A meritocracia, no Brasil, quase sempre esconde os apadrinhamentos, os privilégios de classe, as trapaças para chegar ao poder sem passar pela cansativa labuta do suor do trabalho a que tantos brasileiros precisam se submeter, por salários tão ínfimos, para sobreviver.

O esporte coletivo requer a soma de talentos. Mas só o talento não é suficiente. É preciso vir acompanhado de uma boa dose de dedicação, de esforço físico ao grau mais elevado, de um desprendimento para que o brilho do craque seja o coroamento de um trabalho de equipe. De uma imensa capacidade de se doar ao grupo, de renunciar à glória solitária para que um objetivo maior seja alcançado.

Vale a pena assinalar, também, que nos dias de hoje, até os gols costumam ser comemorados individualmente. Não poucos jogadores só aceitam o abraço dos companheiros depois de curtir o seu momento de glória individual com a torcida e com as câmeras, espalhadas pelo estádio.

Por isso, como ter uma outra disciplina mental num país em que a mídia superestima a fama, o poder e o dinheiro de poucos em detrimento daqueles que realmente constroem o país com tanto suor? Como forjar o caráter solidário de um povo num país que estimula tanto a individualidade? Um país que tem enorme dificuldade em aceitar a igualdade? Somos uma nação em que “doutores” são supervalorizados e outros trabalhadores, desprezados. Temos até um regime de prisão especial para quem pôde estudar mais e chegar às universidades – menos de 15% da população adulta.

Nossas elites não convivem bem com a ideia de democracia, onde cada pessoa, independente de seu talento, conhecimento, classe social ou quaisquer outros atributos, tem direito a escolher seus representantes pelo voto livre e universal. A mídia oligopolizada e o enorme poder do capital têm influenciado mais do que deveriam no resultado de eleições. E, se mesmo assim, elas não refletem os desejos oligárquicos de uma elite que se acostumou ao trabalho escravo, às capitanias hereditárias e aos privilégios de classe, ora, é hora então de se partir para mais um golpe, seja pela via militar ou este mais recente e sofisticado, que é midiático-jurídico-policial-político-empresarial.

Tudo isso, que parece tão distante dos gramados, explica muito sobre o caráter de nossos jogadores da seleção masculina de futebol e os sucessivos resultados recentes de dolorosos fracassos, desde, principalmente, a Copa do Mundo de Futebol disputada no Brasil, em 2014.

Nada está perdido, no gramado ou na vida, principalmente se houver uma compreensão profunda sobre as causas dos problemas que nos afligem e impedem que avancemos, coletivamente, como seleção de futebol ou como nação. No esporte, há muitos fatores a explicar derrotas, olímpicas ou não. Entre elas, a má preparação física, a falta de estrutura ou de treinamentos para aprimorar a técnica.

Tudo isso pesa, sim, mas tem peso maior, arrisco-me a dizer, sobretudo no milionário futebol masculino, os fatores psicológicos que forjam o caráter de cada um dos atletas. Craques ou cidadãos anônimos, não nos faria mal uma reflexão sobre os valores com os quais construímos o nosso imaginário nacional, o que exaltamos e o que desprezamos, o que nos aprisiona e o que nos liberta. Nossa matriz indígena, negra e europeia criou uma original e miscigenada cultura que cultiva a alegria mesmo diante de séculos de violência e exclusão. Como diz a letra de Caetano Veloso, cantada na abertura das Olimpíadas, somos um país que “não se entrega não”.

Que assim seja! Porque precisamos derrotar as forças que nos empurram para o atraso. No futebol, na política e na vida.

Guia Olímpico The Intercept dos Novos Líderes Brasileiros (por Glenn Greenwald/via The Intercept Brasil)

Por Glenn Greenwald – 5/8/2016 – via The Intercept Brasil.

“Os escândalos de corrupção assombrando os novos líderes do país são tão generalizados que fica difícil acompanhá-los. Para seu conforto, The Interceptresolveu publicar um guia para identificá-los à medida que venham à tona durante as Olimpíadas.”

Leia mais:

https://theintercept.com/2016/08/05/guia-olimpico-the-intercept-dos-novos-lideres-brasileiros

Poucos chefes-de-estado foram à abertura das Olimpíadas (por Luis Nassif e Jamil Chade/via O Estado de S. Paulo e GGN)

Por Luis Nassif e Jamil Chade – 7/8/2016 – via O Estado de S. Paulo e GGN.

“O desprestígio não é do Temer, é do próprio movimento do golpe. Esta é a conclusão que pode-se chegar ao ler a matéria de Jamil Chade, no Estadão. A baixa presença de autoridades, depois da propalada presença confirmada de 45 chefes-de-estado, contrastou com a efetiva marca de 18 chefes presentes e uma miríade de autoridades menores e vices, inclusive o brasileiro.”

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/noticia/poucos-chefes-de-estado-foram-a-abertura-das-olimpiadas

Jogos: Rápidas e desorganizadas observações (por Luiz Antonio Simas/via Luis Nassif/GGN)

Por Luiz Antonio Simas – 7/8/2016 – via Luis Nassif/GGN.

“Zabumbar no fio da navalha é a nossa saída mais potente. Meus avós tiveram a sabedoria de me ensinar o seguinte: a gente não faz festa porque a vida é fácil. A gente faz festa exatamente pela razão contrária. A cultura do samba veio desse aparente paradoxo. Não se samba porque a vida é mole. Se samba porque a vida é dura. O sentido das celebrações, ao menos para mim, é esse.”

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/fora-pauta/jogos-rapidas-e-desorganizadas-observacoes