Humanidade já gerou 8,3 bilhões de toneladas de plástico (por Miguel Ángel Criado/via El País)

Em muitas regiões do planeta a reciclagem de plásticos ainda é manual, garrafa a garrafa, tampinha a tampinha

Em muitas regiões do planeta a reciclagem de plásticos ainda é manual, garrafa a garrafa, tampinha a tampinha. Foto: Jenna Jambeck/Universidad de Georgia.

Por Miguel Ángel Criado – 20/7/2017 – via El País.

Desde que começou a produção em massa de plásticos, nos anos cinquenta, os humanos geraram 8,3 bilhões de toneladas métricas do material. Dessa quantidade enorme, apenas 9% são reciclados. A grande maioria acaba sem tratamento nos aterros sanitários ou no meio ambiente.Segundo um novo estudo sobre a produção desse material sintético, seu uso e destino final, se continuarmos nesse ritmo, em 2050 haverá mais de 12 bilhões de toneladas de resíduos plásticos.

Leia mais:

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/19/ciencia/1500451864_107312.html

Senhora não’: bar para adultos maduros quebra tabus sobre o envelhecimento (por Giovana Fleck/via Sul21)

Márcia Papaléo é a dona do Boteco Anexo, também conhecido como o “bar para adultos maduros”. Foto: Guilherme Santos/Sul21.

Por Giovana Fleck – 16/7/2017 – via Sul21.

“E hoje, tem samba? Tem que ter música agitada, senão…”.  Envolvida por um lenço de cetim e com o cabelo cuidadosamente preso em um coque baixo, Leo Nunes chega dançando ao Boteco Anexo. “A música tá tocando, né? Tem que dançar”, ela diz para as amigas. “Há dez anos ela veio se tratar comigo. Chegou muito mal, deprimida mesmo, com o marido doente”, conta Márcia Papaléo, psicóloga e dona do bar. Leo vivia um período de introversão. Hoje, aos 80 anos, ela participa de dois grupos de dança diferentes e frequenta “a noite” pelo menos duas vezes por semana. “Eu me divirto. Dançar e cantar para mim é o máximo. É bom pra cabeça da gente”, conta Leo.

Leia mais:

http://www.sul21.com.br/jornal/senhora-nao-bar-para-adultos-maduros-quebra-tabus-sobre-o-envelhecimento

Por uma masculinidade além do priapismo (por Ricardo Pimental/via Outras Palavras)

170710-Príapo

Por Ricardo Pimentel Méllo – 10/7/2017 – via Outras Palavras. Imagem: Nicolas Poussin, “Hymeneu travestido durante um sacrificio a Príapo (1634).

É preciso rejeitar os corpos violentamente caracterizados como masculinos, mergulhados na “ilusão de que ser homem bastaria”. Sempre duros e alertas, eles desconsideram o cuidado de si.

Leia mais:

http://outraspalavras.net/destaques/masculinidade-e-o-cuidado-de-si-para-alem-de-priapismo

Livro gratuito reúne detalhes de quase 400 espécies de plantas medicinais (por Redação CicloVivo)

Livro gratuito reúne detalhes de quase 400 espécies de plantas medicinais

Foram necessários 3 anos de coleta para que os artistas pudessem desenhar todas as espécies. | Foto: Reprodução.

Por Redação CicloVivo – 7/11/2016.

O “Tratado das Plantas Medicinais” é fruto do trabalho de mais de 40 anos de pesquisas e vivências da farmacêutica e professora Telma Sueli Mesquita Grandi. A obra, disponível para download gratuito, reúne 383 espécies com poder medicinal.

Leia mais:

http://ciclovivo.com.br/noticia/livro-gratuito-reune-detalhe-de-quase-400-especies-de-plantas-medicinais

Drogas causam transtornos a 0,6% da população adulta global, diz agência da ONU

"Darkweb" tem sido usada para a venda de drogas para fins recreativos, tais como cannabis, ecstasy (foto), cocaína, alucinógenos e novas substâncias psicoativas (NPS). Foto: EBC

“Darkweb” tem sido usada para a venda de drogas para fins recreativos, tais como cannabis, ecstasy (foto), cocaína, alucinógenos e novas substâncias psicoativas (NPS). Foto: EBC.

Por revistaamazonia.com.br e ONU Brasil – 22/6/2017.

Cerca de 250 milhões de pessoas usavam drogas em 2015 no mundo. Desse total, cerca de 29,5 milhões — ou 0,6% da população adulta global — usavam drogas de forma problemática e apresentam transtornos relacionados ao consumo, incluindo a dependência.

Os opióides (ópio, morfina, heroína e derivados sintéticos) apresentam os maiores riscos de danos à saúde, representando 70% do impacto negativo associado ao consumo de drogas no mundo, segundo o Relatório Mundial sobre Drogas, lançado nesta quinta-feira (22) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Leia mais:

 

26 vídeos, filmes e documentários para você repensar a sua relação com comida (por Ana Beatriz Rosa/via HuffPost Brasil)

Rawpixel Via Getty Images. Você sabe o que está comendo?

Por Ana Beatriz Rosa – 9/5/2017 – via HuffPost Brasil.

Existem vilões? E os ‘super foods’? Comida é remédio? Açúcar é droga? Preciso de dieta? Como alcançar o equílibrio?

Leia mais:

http://www.huffpostbrasil.com/2017/05/09/26-videos-filmes-e-documentarios-para-voce-repensar-a-sua-relac_a_22076172/?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

Em 10 anos houve aumento de 22% na morte de mulheres negras, diz estudo

Por Secretaria Especial de Políticas para Mulheres – 6/6/2017

O Atlas da Violência 2017, apresentado nessa segunda-feira (5) pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), revela uma triste realidade: o aumento de 22% da morte de mulheres negras, no período de 2005 a 2015. Nessa população, o índice de mortes chega a 5,2 mortes para cada 100 mil mulheres negras. Quando o estudo compara as mulheres não negras, no mesmo período, houve redução de 7,4%, com uma taxa de 3,1% mortes para cada 100 mil mulheres não negras.

Leia mais:

http://www.spm.gov.br/noticias/em-10-anos-houve-aumento-de-22-na-morte-de-mulheres-negras-diz-estudo

Como o derretimento de geleiras está levando ao ressurgimento de doenças ‘adormecidas’ (por BBC Brasil)

geleiras

As mudanças climáticas podem trazer de volta à vida antigos vírus e bactérias que já não existiam mais. Foto: Staffan Widstrand/Naturelpl.com

Por BBC Brasil – 15/5/2017.

O que aconteceria se nós, de repente, ficássemos expostos a bactérias e vírus mortais que ficaram ausentes por milhares de anos – ou então que nunca vimos antes?

É possível que estejamos perto de descobrir que aconteceria. As mudanças climáticas estão derretendo o solo da região do ártico que existiram ali por milhares de anos e, conforme o solo derrete, ele vai liberando antigos vírus e bactérias que, depois de ficarem tanto tempo “dormentes”, voltam à vida.

Leia mais:

http://www.bbc.com/portuguese/vert-earth-39905298

Documentário Deserto Verde estreia no Canal Brasil

Hoje à noite, estreia no Canal Brasil o nosso documentário "Deserto Verde", que só foi exibido oficialmente – uma única…

Publicado por Juliana Kroeger em Segunda, 24 de abril de 2017