Drogas causam transtornos a 0,6% da população adulta global, diz agência da ONU

"Darkweb" tem sido usada para a venda de drogas para fins recreativos, tais como cannabis, ecstasy (foto), cocaína, alucinógenos e novas substâncias psicoativas (NPS). Foto: EBC

“Darkweb” tem sido usada para a venda de drogas para fins recreativos, tais como cannabis, ecstasy (foto), cocaína, alucinógenos e novas substâncias psicoativas (NPS). Foto: EBC.

Por revistaamazonia.com.br e ONU Brasil – 22/6/2017.

Cerca de 250 milhões de pessoas usavam drogas em 2015 no mundo. Desse total, cerca de 29,5 milhões — ou 0,6% da população adulta global — usavam drogas de forma problemática e apresentam transtornos relacionados ao consumo, incluindo a dependência.

Os opióides (ópio, morfina, heroína e derivados sintéticos) apresentam os maiores riscos de danos à saúde, representando 70% do impacto negativo associado ao consumo de drogas no mundo, segundo o Relatório Mundial sobre Drogas, lançado nesta quinta-feira (22) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Leia mais:

 

Em 10 anos houve aumento de 22% na morte de mulheres negras, diz estudo

Por Secretaria Especial de Políticas para Mulheres – 6/6/2017

O Atlas da Violência 2017, apresentado nessa segunda-feira (5) pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), revela uma triste realidade: o aumento de 22% da morte de mulheres negras, no período de 2005 a 2015. Nessa população, o índice de mortes chega a 5,2 mortes para cada 100 mil mulheres negras. Quando o estudo compara as mulheres não negras, no mesmo período, houve redução de 7,4%, com uma taxa de 3,1% mortes para cada 100 mil mulheres não negras.

Leia mais:

http://www.spm.gov.br/noticias/em-10-anos-houve-aumento-de-22-na-morte-de-mulheres-negras-diz-estudo

Nível do mar na costa brasileira tende a aumentar nas próximas décadas (por Elton Alisson/Agência Fapesp)

Nível do mar na costa brasileira tende a aumentar nas próximas décadas

País não possui estudo integrado da vulnerabilidade das cidades litorâneas ao fenômeno, aponta relatório especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Imagem: Ponta da Praia, em Santos/Leandro Negro/Agência Fapesp.

Por Elton Alisson – 5/6/2017 – Agência Fapesp.

O nível do mar na costa brasileira tende a aumentar nas próximas décadas. No Brasil, contudo, onde mais de 60% da população vive em cidades costeiras, não há um estudo integrado da vulnerabilidade dos municípios litorâneos a este e a outros impactos decorrentes das mudanças climáticas, como o aumento da frequência e da intensidade de chuvas. Um estudo desse gênero possibilitaria estimar os danos sociais, econômicos e ambientais e elaborar um plano de ação com o intuito de implementar medidas adaptativas.

Leia mais:

http://agencia.fapesp.br/nivel_do_mar_na_costa_brasileira_tende_a_aumentar_nas_proximas_decadas/25414

Bancos devoram metade da renda de quase 30% da população mais pobre (por Bruno Bocchini/via GGN)

Por Bruno Bocchini – 11/5/2017 – via GGN.

Estudo da Serasa Experian mostra que 27% da população de baixa renda, com ganhos de até R$ 2 mil, tem mais de 50% de seus rendimentos comprometidos com produtos financeiros, como cartão de crédito, empréstimo consignado, empréstimo pessoal, financiamento de automóvel, financiamento imobiliário e cheque especial.

Entre os brasileiros de alta renda, que recebem acima de R$ 10 mil, o percentual é de 13%.

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/blog/ricardo-cavalcanti-schiel/bancos-devoram-metade-da-renda-de-quase-30-da-populacao-mais-pobre

O escândalo dos juros (por Ladislau Dowbor/via blog de Rogério Cezar de Cerqueira Leite)

Por Ladislau Dowbor – 1/5/2017 – via blog de Rogério Cezar de Cerqueira Leite.

O volume de recursos extraídos da economia por meio dos juros é absolutamente escandaloso, e não encontra paralelo no mundo. Aqui, em pouco mais de uma página, os dados básicos, qualquer um que já se endividou entenderá. A base são informações oficiais tais como publicadas pelo Banco Central, sobre “Operações de crédito do sistema financeiro”, e anexamos a própria nota do Banco para que possam ser checados, precaução necessária nesta era de ceticismos com números.

Leia mais:

http://rogeriocerqueiraleite.com.br/o-escandalo-dos-juros

CO2 pode ser o maior em meio bilhão de anos (por Claudio Angelo/via Observatório do Clima)

Foto: Nick Humphries/Flickr/Creative Commons

Foto: Nick Humphries/Flickr/Creative Commons.

Por Claudio Angelo – 5/4/2017 – via Observatório do Clima.

Novo estudo mostra que a queima de todas as reservas de combustíveis fósseis pode empurrar a Terra para um aquecimento que não é visto desde o surgimento das primeiras florestas.

Leia mais:

http://www.observatoriodoclima.eco.br/co2-pode-ser-o-maior-em-meio-bilhao-de-anos

Ipea aponta elitização e masculinização em PEC da reforma da Previdência (por Vitor Nuzzi/via Rede Brasil Atual)

Joana Mostafa

Joana, do Ipea: desigualdade entre homens e mulheres no Brasil não permite eliminar diferenças para efeito de aposentadoria.

Por Vitor Nuzzi – 8/2/2017 – via Rede Brasil Atual.

Segundo pesquisadores, mudanças nas regras farão com que quase metade das mulheres contribuintes não consiga se aposentar, especialmente as de piores condições de trabalho.

Leia mais:

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2017/02/estudo-do-ipea-aponta-elitizacao-e-masculinizacao-na-pec-287

2 anos neoliberais zeram 6 de desenvolvimentismo: mais 14,5 milhões na pobreza (por Fernando Brito/via Tijolaço)

Comentário de Vinicius B. Vicenzi:

Esse foi o “erro” do PT, achar que consumo e classe se equivaliam. A história do capitalismo mostra justamente que a “nova classe média” pode virar a “velha classe pobre” num piscar de olhos, no primeiro “rearranjo” do “mercado”. Uma verdadeira transformação social precisa vir junto com mudanças mais profundas na base da sociedade, conquistando corações e mentes. Sem democratização dos meios de comunicação e uma profunda ação na educação básica, toda mobilidade social no Brasil fica presa à “lógica de mercado”.

tendpesq

Por Fernando Brito – 3/2/2017 – via Tijolaço.

Hoje, na Exame, os números monstruosos da regressão social no Brasil:

A crise econômica no Brasil enviou 4,4 milhões de famílias para as classes D e E só no biênio 2015-2016, de acordo com estudo da consultoria Tendências.

Leia mais:

http://www.tijolaco.com.br/blog/dois-anos-de-neoliberalismo-anulam-seis-de-desenvovimentismo

Confira pesquisa inédita sobre violência sexual contra as mulheres no Brasil (via Agência Patrícia Galvão)

Abuso infantil

A impunidade perpetua a violência sexual no país, diz pesquisa.
Foto: Marcello Jr/Arquivo da Agência Brasil.

Por Agência Patrícia Galvão – 12/12/2016.

Pesquisa capta contradições: enquanto culpabilização das vítimas segue presente, questionamentos ao machismo ganham força na percepção da população: 96% concordam que é preciso ensinar os homens a respeitar as mulheres e não as mulheres a ter medo.

Leia mais:

http://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/noticias-violencia/confira-pesquisa-inedita-sobre-violencia-sexual-contra-as-mulheres-no-brasil