Como as telenovelas brasileiras representam as mulheres (por Camilla Rodrigues Netto da Costa Rocha/via Nexo)

 

Por Camilla Rodrigues Netto da Costa Rocha – 23/2/2017 – via Nexo.

Este estudo reflete sobre a representação da figura feminina nos meios de comunicação, especificamente por meio das telenovelas brasileiras. Segundo a autora, muitas vezes elas constroem personagens femininas estereotipadas que reforçam a dominação masculina, mas existem brechas significativas para abordar temáticas contra-hegemônicas. Esse é o caso da personagem Clara da novela “Em Família”, analisado no estudo, que abre espaço para discutir as relações lésbicas.

Leia mais:

https://www.nexojornal.com.br/academico/2017/02/23/Como-as-telenovelas-brasileiras-representam-as-mulheres

Pastoral Carcerária: “se colocassem cães e gatos nos presídios, tratados como as pessoas o são, teríamos milhões nas ruas” (via Caminho pra Casa e Outras Palavras)

Por Caminho pra Casa e Outras Palavras – 13/1/2017.

O padre Valdir Silveira, coordenador da Pastoral Carcerária no Brasil, é uma das pessoas que mais conhecem o sistema prisional do país. São anos de escuta aos presos, presas, seus familiares, funcionários e autoridades. Ele não tem dúvida: “O sistema prisional brasileiro está estruturado para torturar e matar –para mais nada.” E completa: “se colocassem cães e gatos nos presídios brasileiros, tratados como as pessoas são tratadas atualmente, teríamos milhões nas ruas e mobilização mundial contra o Brasil.” Ele concedeu entrevista ao blog Caminho pra Casa na tarde desta segunda (10) pouco antes de embarcar para a região Norte.

Leia mais:

http://outraspalavras.net/maurolopes/2017/01/10/pastoral-carceraria-se-colocassem-caes-e-gatos-nos-presidios-tratados-como-as-pessoas-o-sao-teriamos-milhoes-nas-ruas

Assange: Golpe no Brasil foi construído “há muito tempo”, com apoio dos EUA

Do blog de Luiz Müller – 9/1/2017 – via Brasil247.

Julian Assange, fundador do site Wikileaks, disse haver indícios da participação do governo dos Estados Unidos no que chamou de “golpe constitucional” ou “golpe político” contra a presidente eleita Dilma Rousseff, em agosto de 2016; “Situação atual está sendo construída há muito tempo”, disse Assange em entrevista ao jornalista Fernando Morais; “50% do orçamento da NSA é destinado a entender qual o rumo que um país, gabinete ou presidente está tomando política e financeiramente, para que os EUA possam reagir e conduzi-lo a um caminho específico, incluindo na lista de alvos as importantes companhias energéticas”, declarou Assange em referência ao pré-sal.

Leia mais:

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/274788/Assange-Golpe-no-Brasil-foi-constru%C3%ADdo-h%C3%A1-muito-tempo-com-apoio-dos-EUA.htm

Elite brasileira despreza democracia. É um grupo de predadores”, diz Franklin Martins (por Marco Weissheimer/via Sul 21 e Ópera Mundi)

02/12/2016 - PORTO ALEGRE, RS - Entrevista com o Franklin Martins. Foto: Guilherme Santos/Sul21

Por Marco Weissheimer – 6/12/2016 – via Sul 21 e Ópera Mundi.

Em 1964, Franklin Martins tinha 15 anos de idade quando o golpe civil-militar contra o governo de João Goulart virou sua vida ao avesso. Militante do movimento estudantil e repórter iniciante na agência de notícias Interpress, foi se envolvendo cada vez mais na luta de resistência contra a ditadura que teve um de seus ápices em 1969, quando integrou o grupo, formado por militantes da Ação Libertadora Nacional e do Movimento Revolucionário 8 de Outubro, que sequestrou o embaixador americano Charles B. Elbrick para forçar o governo militar a libertar 15 presos políticos. A partir dessa ação teve que sair do país. Viveu em Cuba, no Chile, chegou a retornar ao Brasil mas, em 1974, teve que sair mais uma vez, indo para a França. Só voltou em 1977, quando a ditadura começava a dar sinais de exaustão

Leia mais:

http://operamundi.uol.com.br/dialogosdosul/elite-brasileira-despreza-democracia-e-um-grupo-de-predadores-diz-franklin-martins/06122016

Pedrinho Guareschi: Nós vivemos uma ditadura da mídia (por Kátia Marko/via NPC)

pedrinho_guareschi

A mídia constrói simbolicamente a realidade.

A mídia atua através de estratégias específicas de construção dessa realidade em um país onde no mínimo 80% da população se orienta pela TV aberta, que chega a 97% dos lares brasileiros. É uma televisão neoliberal, do capital, dessas famílias que tomaram conta do espectro.

Por Kátia Marko. Edição: Claudia Giannotti.