Brasileiros contra o Brasil

Por Celso Vicenzi – 7/12/2017.

Uma boa parcela do Judiciário, do MP, da PF, da mídia, empresariado e outros setores que deram o golpe e o tutelam, nem parece que são brasileiros. Agem contra os interesses nacionais. Afinal, o que pretendem com a destruição do país, seus ativos de inteligência, sua soberania?

O jornalismo fake da Globo

Resultado de imagem para foto free transposição do rio sao francisco

Foto: www12.senado.gov.br

Padrão Globo de Jornalismo é isso! Matéria longa no Globo Rural, hoje, sobre a transposição do rio São Francisco, com todas as coisas boas e outras nem tanto, mas com saldo muito positivo – não puderam omitir. Chegam a citar que desde Dom Pedro II havia a promessa da transposição, mas não dizem o nome de quem cumpriu a tarefa. Jornalismo fake é também assim: apaga da história personagem que a Globo só se interessa em expor no papel de vilão.

Comentários sobre jornalismo e produção de conteúdo

Máquina De Escrever, Teclado, Tipo

Por Celso Vicenzi – 25/10/2016. Imagem: Pixabay.com

Comentário publicado no FB:

Tem gente que não sabe reconhecer um comentário irônico ou fazer interpretação de texto. O comentário – ok, vou explicar! – tentando ser irônico e bem-humorado (falha minha!) é sobre a substituição cada vez mais explícita da reportagem jornalística por uma coisa que a mídia resolveu chamar de “produção de conteúdo” e que costuma deixar muito a desejar pra quem já leu, viu e ouviu um bocado de coisa boa na vida. Há exceções? Aplausos!

Mas os donos da mídia sabem muito bem por que trocaram bons jornalistas – cada vez mais raros nas redações – por profissionais que fazem o que é vagamente definido como “produção de conteúdo”, com pautas que se perdem em superficialidades, que não dão conta de interrogar e buscar respostas à complexidade dos fenômenos políticos, sociais, econômicos, comportamentais etc e que, não bastasse tudo isso, ainda são mal escritas ou mal elaboradas em reportagens de rádio e televisão. É o que se vê na maioria dos casos nos principais veículos de comunicação, que vão afundando numa crise e perdendo qualidade e credibilidade – pior ainda se você caro leitor, cara leitora, não conseguiu perceber o que está acontecendo.

Não vou nem entrar na discussão ética e da dominação, cada vez maior, do comercial em relação ao editorial, e do quanto se perdeu em diversidade e fontes capazes de se contrapor ao chamado “pensamento único” que, de modo geral, com raros momentos de exceção, tomou conta dos espaços de produção de “conteúdo jornalístico” – diferente de “produção de conteúdo”.

É só uma constatação da melancólica e indigna situação a que chegou uma imprensa que vendeu a alma ao diabo e perdeu a dimensão do seu papel na sociedade. Não sou ingênuo a ponto de não compreender o que a imprensa representou, em todas as épocas, para os donos do capital e para a luta ideológica, mas chegamos a uma era em que o cinismo se impôs com tanta força que é quase impossível sustentar o mínimo de credibilidade àquilo que se lê, se ouve e se vê.

Menos mal que surgem, cada vez mais, boas experiências na mídia digital, pautadas justamente pelas ferramentas do velho e bom jornalismo. Narrativas, em qualquer plataforma, que tenham clareza, densidade, exatidão, precisão, coerência, ritmo e objetividade, entre outras virtudes.

Saudades do velho e bom repórter…

Por Celso Vicenzi – 24/10/2017.

Confesso que sou um jornalista desatualizado com tantas novidades na área. Estava tentando, até agora, deglutir o “produtor ou produtora de conteúdo” quando eis que deparo com mais uma nova função. Agora já temos, também, o “infuenciador ou influenciadora digital”.
 
Será que alguém, um dia, sentirá falta de um repórter, de um jornalista?
 
Cartas à redação.

Silêncio que fala

Por Celso Vicenzi – 5/10/2017.

O silêncio eterno a que autoimpô-se Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da UFSC, falará para todo o sempre das injustiças e denunciará o modelo ditatorial implantado no Brasil, em pleno século 21: judicial-policial-midiático, igualmente perverso, intolerante, arbitrário, inquisidor, perseguidor, seletivo, cruel, classista, elitista, excludente, desumano.

Pessoas que dão ordens no FB

Resultado de imagem para imagem free dedo apontando

Por Celso Vicenzi – 3/9/2017. Ilustração: iStock – royaltie-free.

Não sei vocês, mas acho desagradável que pessoas que se consideram democráticas, utilizem o Facebook para dar ordens a outras pessoas, o que elas devem fazer, como devem fazer, sob pena de cair em desgraça ou perder eventuais laços de amizade. Amizade sob pressão? Faz o que eu digo ou não sou mais seu amigo? Mesmo que a causa seja louvável, por razões particulares, posso não querer fazer da mesma forma que me obrigam. Não, obrigado! Dispenso. Eu decido livremente o que quero apoiar, compartilhar e a forma como irei fazê-lo. Deixemos as pessoas livres, também, para decidirem o que fazem com o que publicamos e com as causas que apoiamos.

Algo mais forte terá que nascer

Por Celso Vicenzi – 3/8/2017.

No diálogo com um amigo, sobre o momento atual:
 
Acho que 2018 já morreu, antes de nascer. Seja porque pode não haver eleições, com mais um golpe dentro do golpe (parlamentarismo), seja porque nas condições atuais do golpe (“com o Supremo, com tudo”, como disse Jucá), não haverá governo capaz de reverter o que foi destruído. Desse jogo de conchavos de partidos e instituições não sairemos sem um levante popular.

Mais que desânimo, é desabafo

Por Celso Vicenzi – 3/8/2017.

Concordando com uma amiga. Não dá para falar em povo e se posicionar à parte. Todos somos povo, sim, inclusive essa turma de ladrões. Acho que o desânimo de alguns (mas também é só desabafo, fiquemos tranquilos!) é saber que os mais prejudicados ainda não entenderam que estão sendo ferrados, massacrados e continuam iludidos pelas antenas de TV. Penso que é mais por aí, mas tenho certeza que a hora chegará em que todos que não forem canalhas ou covardes estarão (estaremos) juntos para retomar o país que boa parte da mídia, empresariado, parlamentares, juízes, igrejas, procuradores, policiais federais e “outros que tais” estão fazendo de tudo para destruir.