O pedestre está desaparecendo (por Joaquim Ferreira dos Santos/via #Colabora)

Joaquim Ferreira dos Santos

Por Joaquim Ferreira dos Santos – 30/10/2017 – via #Colabora.

Conectados com a irrelevância, passantes abrem mão do prazer de refletir enquanto os pés se movem.

Leia mais:

https://projetocolabora.com.br/cidades/o-pedestre-brasileiro-esta-desaparecendo/?utm_source=Colabora&utm_campaign=e3ff7f34b0-EMAIL_CAMPAIGN_2017_10_30&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-e3ff7f34b0-417482585

 

Saudável é comer o que te faz feliz (por Maria Bitarello/via Outras Palavras)

170919-Bosch

Imagem: Hieronymus Bosch, O Jardim das Delícias Terrenas, 1490-1510 (detalhe).

Por Maria Bitarello – 19/9/2017 – via Outras Palavras.

Desvie dos cálculos de nutrientes, do proselitismo alimentar. Dê à alma e ao corpo o que eles pedem. Confie no que te alegra – e mais na intuição que no intelecto.

Leia mais:

http://outraspalavras.net/destaques/saudavel-e-comer-o-que-te-faz-feliz

Conheça a árvore de livros, o “Netflix” literário da escola (por Hanna Gledyz/via Carta Capital)

Leitor digital na plataforma. “É assim que seu aluno vai ler na Árvore. Seja no tablet, no celular ou no computador.”

Por Hanna Gledyz – 5/9/2017 – via Carta Capital.

A plataforma transforma a educação com mais de 10 mil eBooks, assessoria pedagógica e ações de promoção à leitura.

Leia mais:

http://biblioo.cartacapital.com.br/netflix-dos-livros-da-escola

 

Ode ao burguês, por Mário de Andrade

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Eu insulto o burguês! O burguês-níquel
o burguês-burguês!
A digestão bem-feita de São Paulo!
O homem-curva! O homem-nádegas!
O homem que sendo francês, brasileiro, italiano,
é sempre um cauteloso pouco-a-pouco!
Eu insulto as aristocracias cautelosas!
Os barões lampiões! Os condes Joões! Os duques zurros!
Que vivem dentro de muros sem pulos,
e gemem sangue de alguns mil-réis fracos
para dizerem que as filhas da senhora falam o francês
e tocam os “Printemps” com as unhas!
Eu insulto o burguês-funesto!
O indigesto feijão com toucinho, dono das tradições!
Fora os que algarismam os amanhãs!
Olha a vida dos nossos setembros!
Fará Sol? Choverá? Arlequinal!
Mas à chuva dos rosais
o êxtase fará sempre Sol!
Morte à gordura!
Morte às adiposidades cerebrais!
Morte ao burguês-mensal!
Ao burguês-cinema! Ao burguês-tiburi!
Padaria Suíssa! Morte viva ao Adriano!
“— Ai, filha, que te darei pelos teus anos?
— Um colar… — Conto e quinhentos!!!
Más nós morremos de fome!”
Come! Come-te a ti mesmo, oh! gelatina pasma!
Oh! purée de batatas morais!
Oh! cabelos nas ventas! Oh! carecas!
Ódio aos temperamentos regulares!
Ódio aos relógios musculares! Morte à infâmia!
Ódio à soma! Ódio aos secos e molhados
Ódio aos sem desfalecimentos nem arrependimentos,
sempiternamente as mesmices convencionais!
De mãos nas costas! Marco eu o compasso! Eia!
Dois a dois! Primeira posição! Marcha!
Todos para a Central do meu rancor inebriante!
Ódio e insulto! Ódio e raiva! Ódio e mais ódio!
Morte ao burguês de giolhos,
cheirando religião e que não crê em Deus!
Ódio vermelho! Ódio fecundo! Ódio cíclico!
Ódio fundamento, sem perdão!
Fora! Fu! Fora o bom burguês!…
[Mário de Andrade, Ode ao burguês]

Poema de Rupi Kaur

você me diz para ficar quieta porque
minhas opiniões me deixam menos bonita
mas não fui feita com um incêndio na barriga
para que pudessem me apagar
não fui feita com leveza na língua
para que fosse fácil de engolir
fui feita pesada
metade lâmina metade seda
difícil de esquecer e não tão fácil
de entender

(Do livro “Outros jeitos de usar a boca”, de Rupi Kaur, editora Planeta).

Lima Barreto, 32 obras em pdf para download (por Farofa Filosófica)

Por Farofa Filosófica – julho/2017.

Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu no Rio de Janeiro em 1881, sete anos antes da assinatura da Lei Áurea. Trabalhando como jornalista, valeu-se de uma linguagem objetiva e informal, mais tarde valorizada por seus contemporâneos e pelos modernistas, para relatar o cotidiano dos bairros pobres do Rio de Janeiro como poucos…

Definida pelo próprio autor como “militante”, sua produção literária está quase inteiramente voltada para a investigação das desigualdades sociais. Em muitas obras, como no seu célebre romance Triste Fim de Policarpo Quaresma e no conto O Homem que Sabia Javanês, o método escolhido por Lima Barreto para tratar desse tema é o da sátira, cheia de ironia, humor e sarcasmo.

Leia mais:

https://farofafilosofica.com/2017/08/01/lima-barreto-32-obras-em-pdf-para-download