Prostitutas discutem formas de romper o estigma e acessar direitos (por Paula Guimarães/via portal Catarinas)

Debate integrou as comemorações de 30 anos do Movimento Brasileiro das Prostitutas/Foto: Assessoria FG.

Por Paula Guimarães – 8/8/2017 – via portal Catarinas.

Pela primeira vez em mais de vinte anos de realização do Seminário Internacional Fazendo Gênero, o putafeminismo protagonizou uma mesa redonda com a presença de ativistas prostitutas. “Um século e meio de abolicionismo: prostituição, criminalização e o controle da mulher” teve participação de Monique Prada, fundadora da Central Única das Trabalhadoras e Trabalhadores Sexuais (CUTS), Melinda Mindy Chateauvert, historiadora do movimento das trabalhadoras sexuais, e Pye Jakobsson, presidenta do NSWP, organização internacional para profissionais do sexo. O evento que discutiu as ameaças em relação ao exercício da atividade no Brasil segue em mais quatro cidades como parte das comemorações de 30 anos do Movimento Brasileiro das Prostitutas.

Leia mais:

http://catarinas.info/prostitutas-discutem-formas-de-romper-o-estigma-e-acessar-direitos

Bactérias e Filosofia no interior de Minas (por Maurício Ayer/via Outras Palavras)

Santo Casamenteiro, recém-chegado da França, onde conquistou uma medalha de prata.

Por Maurício Ayer (texto e fotos) – 2/8/2017 – via Outras Palavras.

Ou de como se descobre (entre queijos e mesa de bar) que a vida ultra-virtualizada das metrópoles nos aliena tanto da natureza quanto das chances de sentir e transformar o mundo.

Leia mais:

http://outraspalavras.net/mauricioayer/2017/08/02/bacterias-e-filosofia-interior-de-minas

Ariano Suassuna declama “Quem foi temperar o choro e acabou salgando o pranto?”

Por Pensar Contemporâneo – julho/2017.

Ariano Suassuna, nesta brilhante entrevista, fala sobre Deus e o sentido da vida. Cita outros escritores, fala do suicídio e das agruras da morte.

Para ele, o maior problema filosófico é o “problema do mal e o sofrimento humano”. Ao mencionar e declamar um poema de Leandro Gomes de Barros, afirma que o poeta fez, de fato esses, os grandes questionamentos a se fazer à divindade e àqueles que nela acreditam.

Leia mais:

http://www.pensarcontemporaneo.com/ariano-suassuna-declama-quem-foi-temperar-o-choro-e-acabou-salgando-o-pranto

O ronco da fome, por Paulo Goeth, Aldir Blanc e João Bosco

Por Paulo Goeth – 21/7/2017.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, planta, árvore e atividades ao ar livre

Roncou, roncou
Roncou de raiva a cuíca
Roncou de fome
Alguém mandou
Mandou parar a cuíca, é coisa dos home

A raiva dá pra parar, pra interromper
A fome não dá pra interromper
A raiva e a fome é coisas dos home

A fome tem que ter raiva pra interromper
A raiva é a fome de interromper
A fome e a raiva é coisas dos home

É coisa dos home
É coisa dos home
A raiva e a fome
A raiva e a fome
Mexendo a cuíca
Vai tem que roncar.

(Aldir Blanc e João Bosco).

O mais perigoso dos líderes (por Marcia Tiburi/Revista Cult)

O mais perigoso dos líderes

O ex-presidente Lula, condenado a 9 anos de prisão nesta quarta (12/7/2017) pelo juiz Sérgio Moro. Arte: Revista Cult/Sérgio Lima).

Por Marcia Tiburi – 12/7/2017 – via Revista Cult.

O pensamento simplificador, típico de sociedades levadas à incapacidade de reflexão, e a correlata polaridade política, movida a desinformação e ódio, impedem a compreensão do significado de Lula para o Brasil. Hoje, há uma espécie de interdição à percepção de que há um Lula para além do Luiz Inácio Lula da Silva, político com qualidades e defeitos, eleito por duas vezes à Presidência da República.

Leia mais:

https://revistacult.uol.com.br/home/lula-o-mais-perigoso-dos-lideres/#.WWaB6aeebS8.facebook

Žižek: Capital fictício e o retorno da dominação pessoal (por Slavoj Žižek/via Blog da Boitempo)

Por Slavoj Žižek – 3/7/2017 – via Blog da Boitempo.

“A noção clássica de Marx do fetichismo da mercadoria precisa hoje ser radicalmente repensada. Longe de ser invisível, a relacionalidade social, em sua própria fluidez, é diretamente o objeto de comércio e troca. E isso significa que relações pessoais de dominação também são diretamente comercializadas.”

Leia mais:

https://blogdaboitempo.com.br/2017/07/03/zizek-capital-ficticio-e-o-retorno-da-dominacao-pessoal

“Elite brasileira acha que tem direito a saquear a coisa pública”, diz historiador (por Clarissa Neher/via Deutsche Welle Brasil e Pragmatismo Político)

elite brasil saquear público história

Por Clarissa Neher – 19/6/2017 – via Deutsche Welle Brasil e Pragmatismo Político.

“Brasil tem elite que se considera superior ao restante da população e que, por isso, acha que tem direito a saquear a coisa pública”, diz historiador.

Para o historiador João Cezar de Castro Rocha, a cordialidade é uma característica de sociedades hierárquicas e desiguais. Em entrevista à DW Brasil, o autor dos livros Literatura e cordialidade: O público e o privado na cultura brasileira e Cordialidade à brasileira: mito ou realidade? debate o conceito de homem cordial e sua ligação com a corrupção.

O problema da corrupção endêmica no Brasil só terá solução quando efetivamente constituirmos uma nação, quando em lugar de homem cordiais e elites que se consideram superior aos outros, nós formos de fato todos cidadãos“, destaca Castro Rocha.

Leia mais:

 https://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/06/elite-direito-saquear-publica-historiador.html