Brasil ocupa 115º lugar em ranking de mulheres na política (por Alana Gandra/Agência Brasil)

Por Alana Gandra – 30/3/2017 – via Agência Brasil.

O Brasil ocupa a 115ª posição no ranking mundial de presença feminina no Parlamento dentre os 138 países analisados pelo Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI). com base no banco de dados primários do Banco Mundial (Bird) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O Ranking de Presença Feminina no Parlamento 2017 foi divulgado dia 30 de março.

Leia mais:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-03/brasil-ocupa-115o-lugar-em-ranking-de-mulheres-na-politica

Menos de 1% das propriedades agrícolas detém quase metade da área rural no país (por Flávia Villela/via Agência Brasil)

Propriedade rural em Ulianápolis, Pará,

Estabelecimentos com menos de 10 hectares representam cerca de 47% do total das propriedades brasileiras, mas ocupam menos de 2,3% da área rural total. Foto: MMA/Arquivo.

Por Flávia Villela – 1/12/2016 – via Agência Brasil.

Quase metade da área rural brasileira pertence a 1% das propriedades do país, de acordo com o estudo inédito Terrenos da desigualdade: terra, agricultura e desigualdades no Brasil rural divulgado hoje (1º) pela organização não governamental (ONG) britânica Oxfam. Os estabelecimentos rurais a partir de mil hectares (0,91%) concentram 45% de toda a área de produção agrícola, de gado e plantação florestal.

Leia mais:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-11/menos-de-1-das-propriedades-agricolas-detem-quase-metade-da-area-rural

Retrato do Brasil hoje – a delicadeza da diversidade contra os uniformes do golpe (por Bajonas Teixeira de Brito Junior, Colunista político de O Cafezinho)

Por Bajonas Teixeira de Brito Junior – colunista político de O Cafezinho – 23/6/2016.
Foto Rovena Rosa/Agência Brasil.

“O horror à diversidade esteve desde a primeira hora no centro do governo interino de Michel Temer, que, para ferir a diversidade cultural, baniu do ministério as mulheres, os negros, os gays, e até a própria cultura. Episódios como a invasão da UNB por um grupo de fascistas, um deles vestindo trajes camuflados (17/06) ou o ataque com mais de 200 camionetes e carros contra famílias de índios na fazenda Yvu, no Mato Grosso do Sul , que resultou no assassinato de um jovem índio (14/06), mostram a conclusão lógica do ódio à diversidade.”

Leia mais:

http://www.ocafezinho.com/2016/06/23/retrato-do-brasil-hoje-a-delicadeza-da-diversidade-contra-os-uniformes-do-golpe

Educação é a chave para combate à cultura do estupro, diz Luíse Bello, da ONG feminista Think Olga (por Maiana Diniz/via Agência Brasil)

Manifestação no Rio de Janeiro contra a cultura do estupro e a violência contra mulheres no dia 1/6/2016. (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil).

Por Maiana Diniz – via Agência Brasil – 5/6/2016.

“Para a ativista feminista, a cultura do estupro ‘normaliza a ideia de que o corpo feminino está ali para ser violado’; combate a esse tipo de crime passa necessariamente pela educação e pelo entendimento do que significa consentir, diz Bello.”

Leia mais:

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/44362/educacao+e+a+chave+para+combate+a+cultura+do+estupro+diz+luise+bello+da+ong+feminista+think+olga.shtml?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Boletim_OM_050616

 

Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo (por Andreia Verdelho/via Agência Brasil)

trabalho escravo

Relatório da Fundação Walk Free aponta que 45,8 milhões de pessoas em todo o mundo estão sujeitas a alguma forma de escravidão moderna (Divulgação MPT).

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – 30/5/2016.

“Cerca de 45,8 milhões de pessoas em todo o mundo estão sujeitas a alguma forma de escravidão moderna. A estimativa é do relatório Índice de Escravidão Global 2016, da Fundação Walk Free, divulgado hoje (30).”

Leia mais:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2016-05/escravidao-moderna-atinge-458-milhoes-de-pessoas-no-mundo