Os amigos do golpe não têm amigos

Por Celso Vicenzi – 20/12/2017.

Notícia sem contexto é desinformação ou informação pela metade. O Bom Dia Brasil, da Globo, hoje, informou que o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) foi condenado por unanimidade, no Tribunal Regional Eleitoral do Pará por abuso de poder econômico e gastos ilícitos nas eleições de 2014. E ilustra a notícia com cenas dele votando pelo impeachment da Dilma. Mas, detalhe: em nenhum momento da reportagem menciona isso. Muito menos que ele havia tatuado a palavra “Temer” no ombro direito. Ou seja, quando esse pessoal é pego de calça curta, nunca tem amigos.

Jornalismo estilo “o Brasil vai acabar”

Por Celso Vicenzi.

Ampla matéria no Bom Dia Brasil, hoje (4/1/2016), denuncia, com razão, a falta de médicos e atendimento nos pronto-socorros do Distrito Federal. Falam muito no descaso do governo, sem deixar claro que, no caso, apesar de ser em Brasília, a responsabilidade não é do governo federal, mas do governador do Distrito Federal que, aliás, sequer teve o nome mencionado ou o seu partido (Rodrigo Rollemberg, PSB). Nos mínimos detalhes, a Globo sabe como minar a confiança do brasileiro no governo federal. Idem a matéria estilo “o mundo está para acabar” sobre os aumentos do IPTU e do transporte coletivo, como se não fosse matéria previsível, todos os anos, faça chuva ou faça sol. Nenhuma informação contextualizada sobre períodos mais longos, para saber se os aumentos mantêm-se na média ou se estão abaixo ou acima daqueles praticados em anos anteriores, descontada a inflação.

Enfim, jornalismo é um passo além da simples informação descontextualizada, de números atirados a esmo, sem que se tenha elementos para comparar se estamos piorando ou melhorando. Sim, até porque os piores índices do governo Dilma, por exemplo, estão ainda muito melhores do que os dos governos de FHC. E se preparem, porque o bombardeio de 2016 está só começando. Notícia boa virá precedida sempre de “apesar da crise” e notícia ruim será no estilo “ou tiramos a Dilma ou o Brasil vai acabar”.

Aprenda para que serve um comentarista da Globo

Da série, para que serve um comentarista da Globo.

Uma das pautas do Bom Dia Brasil de hoje (6/7/15), na Rede Globo, era sobre o roubo de placas de trânsito por alunos do curso de Administração de Limeira (SP). É acionado em Brasília o comentarista e ex-porta-voz do ditador e general presidente João Figueiredo, o jornalista Alexandre Garcia.

Num país e numa emissora em que a única pauta é preparar a opinião pública para aceitar um golpe de estado travestido de rigor técnico e jurídico, eis que Alexandre Garcia, promovido a “comentarista de placas de trânsito”, inspira-se na placa PARE para dizer que ela é importante também para os brasileiros decidirem “para que lado queremos continuar: na rua em que estamos sem freio, ladeira abaixo, ou outra via que pode exigir mais força no motor, porque é subida, mas é esperança de dias melhores”.

Qualquer pauta serve para a Globo dizer que o país está em crise e, claro, a solução desenhada para solucioná-la é um golpe de Estado. Uma coisa é certa: não haverá verdadeira democracia no país sem a desconcentração da propriedade dos meios de comunicação que, aliás, é o que está escrito na Constituição, mas no Brasil, parece que só valem os artigos e parágrafos que interessam aos herdeiros das Capitanias Hereditárias.