A comovente gravação que mostra o sofrimento das crianças separadas da família pela Imigração nos EUA

 Gravação mostra sofrimento das crianças separadas da família na fronteira dos EUA.
Gravação mostra sofrimento das crianças separadas da família na fronteira dos EUA

São quase oito minutos de áudio com choro e súplicas de crianças.

Por BBC Brasil – 19/6/2018.

São quase oito minutos de áudio com choro e súplicas de crianças.

O site Propublica divulgou uma gravação em que é possível ouvir o sofrimento de meninos e meninas imigrantes da América Central, separados de seus pais após tentarem entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

A gravação foi feita em um centro de detenção da Patrulha de Fronteira americana, na fronteira do país com o México.

Leia mais:

https://www.bbc.com/portuguese/internacional-44532068?utm_source=Colabora&utm_campaign=c98e3e596e-EMAIL_CAMPAIGN_2018_06_20_05_22&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-c98e3e596e-417482585

55 fotos incríveis de meninas no caminho para a escola ao redor do mundo (por Alanna Vagianos e Damon Dahlen/Huffpost)

Young girls wade through water to get to school in Manila, Philippines.  Foto: Lorgina Minguito/Reuters.

Por Alanna Vagianos e Damon Dahlen – 14/3/2018 – via Huffpost.

Toda criança tem direito à educação. Infelizmente, meninas e mulheres – metade da população mundial – raramente têm as mesmas oportunidades que os meninos para aprender, estudar e serem bem sucedidas.

Globalmente, 65 milhões de meninas não têm acesso à escola. Dos 744 milhões de pessoas que são analfabetas em todo o mundo, dois terços são mulheres. Há 33 milhões de meninas a menos na escola primária, do que meninos. E a educação realmente salva vidas: se todas as mulheres ao redor do mundo tivessem uma educação primária e secundária, as mortes na infância seriam reduzidas pela metade.

Para lembrar esta realidade, o HuffPost selecionou 55 fotos de meninas indo para a escola em todo o mundo. As fotos mostram meninas de todas as idades da Nigéria, Síria, Paquistão, França e países a caminho da escola. Em algumas elas estão ao lado de amigas, ou ansiosas por aprender algo novo. Essas imagens são prova de que todas as crianças devem ter direito à educação independente do seu gênero.

Confira as fotos:

https://www.huffpostbrasil.com/2018/03/13/55-fotos-incriveis-de-meninas-no-caminho-para-a-escola-ao-redor-do-mundo_a_23381763/?utm_hp_ref=br-mulheres

Como me tornei historiadora e a vida entre livros, arquivos e salas de aula

Foto: Robson Maia.

Por Nexo Jornal – 16/10/2017 – via #Colabora.

A professora de história da UFRJ Giovana Xavier fala sobre sua trajetória como intelectual negra no Brasil.

Leia mais:

https://www.nexojornal.com.br/profissoes/2017/10/16/Como-me-tornei-historiadora-e-a-vida-entre-livros-arquivos-e-salas-de-aula?utm_source=Colabora&utm_campaign=c4a04abe1f-EMAIL_CAMPAIGN_2017_10_20&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-c4a04abe1f-417482585

Carta aberta aos negros e negras que lutam pelo fim da escravidão do pensamento (por Lucas Veiga/via Revista Fórum e Geledés)

Por Lucas Veiga – 4/7/2017 – via Revista Fórum e Geledés.

Não nos contaram nos bancos escolares, nem nas cadeiras da academia a história do nosso povo. O que contam do nosso povo é que fomos escravizados. E ao contar, contam com o olhar de quem se debruça na sacada da Casa Grande. Quando contam nossa história é de uma perspectiva embranquecida que nos mantem numa posição inferior. Até a vitória contra a escravidão retiraram de nós. Princesa Isabel recebe as glórias, mas quem as merecia era José do Patrocíneo, André Rebouças, Luiz Gama, Dandara, Luíza Mahin…

Leia mais:

https://www.geledes.org.br/carta-aberta-aos-negros-e-negras-que-lutam-pelo-fim-da-escravidao-do-pensamento/#gs.ZMmtLOA

Por que a indignação contra a corrupção no Brasil é seletiva? (por Salah H. Khaled Jr./via Justificando)

Por que a indignação contra a corrupção no Brasil é seletiva?

Presidente Michel Temer, envolvido em uma série de escândalos de corrupção. Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP.

Por Salah H. Khaled Jr. – 20/6/2017 via Justificando.

A indignação seletiva contra a corrupção é um fenômeno a ser estudado. O vapor levantado contra Dilma produziu níveis elevados de ultraje moral, enquanto os indícios contra Aécio e Temer não parecem produzir mais do que leves aborrecimentos, como se fossem práticas rotineiras e aceitáveis da vida política.

Leia mais:

http://justificando.cartacapital.com.br/2017/06/20/por-que-indignacao-contra-corrupcao-no-brasil-e-seletiva

Safatle: “Nos resta a desobediência sistemática a todas as ações governamentais” (via blog da Boitempo)

Por Vladimir Safatle – 19/5/2017 – via blog da Boitempo.

“Uma das bases da democracia é não submeter a soberania popular nem a decisões equivocadas feitas no passado,nem a instituições aberrantes. O povo não é prisioneiro dos erros do passado, mas sua vontade é sempre atual e soberana. Ele pode desfazer as leis que ele mesmo fez e destituir instituições que se mostram corrompidas”.

Leia mais:

https://blogdaboitempo.com.br/2017/05/19/safatle-nos-resta-a-desobediencia-sistematica-a-todas-as-acoes-governamentais

O povo precisa tomar as ruas, antes que decidam no tapetão

Por Celso Vicenzi – 17/5/2017.

Se Temer cair, o correto seria convocar eleições diretas o mais rápido possível, única forma de voltarmos a uma democracia, derrubada com um golpe.
 
Mas tenho muitas desconfianças sobre essa bomba que atingiu Temer e Aécio, principalmente. Os interesses de quem deu o golpe não são os de correr riscos e entregar a alguém da esquerda, novamente, a presidência do país. Acho que buscam uma saída para estabilizar o golpe e consolidar a destruição dos direitos trabalhistas (que interessa à elite nacional) e a entrega das riquezas do país ao capital internacional, em parceria com a classe rica local.
 
Cresce a chance de os “donos do golpe” darem “um golpe dentro do golpe”, sem eleições em 2018. Pode vir aí desde propostas como Parlamentarismo até a ascensão de uma ditadura em nome da moralização do país.
 
Se não houver uma forte reação popular, tomando as ruas em todo o país, o jogo vai ser decidido no tapetão. E o Judiciário vai aparecer como o “salvador da pátria”, o “poder limpinho”, coisa que não é. Ficou ainda mais intrigante a reunião dos principais empresários do país com a ministra Carmen Lucia, recentemente. Talvez a pauta tenha ido um pouco além das questões trabalhistas, de interesse direto e imediato do patronato.
 
Enfim, nada acontece por acaso. Difícil prever os desdobramentos. Nos próximos dias, talvez fique mais claro.
 
O certo é que o povo precisa tomar as ruas, em massa, em todas as principais cidades, se ainda quiser decidir o seu futuro e garantir a democracia no país.