Mundo tem recorde de pessoas deslocadas

Membros da minoria muçulmana rohingya fogem de Myanmar em direção a Bangladesh

Membros da minoria muçulmana rohingya fogem de Myanmar em direção a Bangladesh. Foto: M. Mostqfigur Raman/Deutsche Welle.

Por BBC Brasil – 20/6/2018.

Em 2017, 68,5 milhões estavam longe de suas regiões de origem, fugindo de conflitos, crise, violência ou perseguição. Número, que inclui deslocados internos e refugiados, é o maior registrado em sete décadas.

Leia mais:

http://www.dw.com/pt-br/mundo-tem-recorde-de-pessoas-deslocadas/a-44286125?utm_source=Colabora&utm_campaign=c98e3e596e-EMAIL_CAMPAIGN_2018_06_20_05_22&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-c98e3e596e-417482585

A crise política institucional no país: a palestra de Luis Nassif em Florianópolis

palestra_florianopolis.png

Da UCG Florianópolis – 27/3/2017.

Após o golpe, que destituiu a presidenta democraticamente eleita, Dilma Rousseff, o país mergulhou em uma crise institucional e financeira, que aponta não ter fim. Preocupados com o rumo que o processo democrático vem tomando, o grupo Unidos Contra o Golpe e o Instituto Paulo Stuart Wright convidaram o jornalista Luis Nassif para a Florianópolis no último dia 17 para falar sobre o assunto.
O evento foi realizado na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), no auditório Antonieta de Barros, com uma coletiva de imprensa (na sala de imprensa da Alesc), e com a palestra “Panorama da Crise Política Institucional do Brasil”, seguida de debate.
Nassif é um dos mais renomados jornalistas do país, atua como palestrante, além de moderador de eventos de Economia, Política e Inovação. Ele também conta com relevantes trabalhos pelo meio impresso e digital, sendo um dos poucos profissionais com conhecimentos sócio-históricos necessários para desvendar os cenários, as tendências e os panoramas do Brasil e do mundo.
Confira a palestra:

2 anos neoliberais zeram 6 de desenvolvimentismo: mais 14,5 milhões na pobreza (por Fernando Brito/via Tijolaço)

Comentário de Vinicius B. Vicenzi:

Esse foi o “erro” do PT, achar que consumo e classe se equivaliam. A história do capitalismo mostra justamente que a “nova classe média” pode virar a “velha classe pobre” num piscar de olhos, no primeiro “rearranjo” do “mercado”. Uma verdadeira transformação social precisa vir junto com mudanças mais profundas na base da sociedade, conquistando corações e mentes. Sem democratização dos meios de comunicação e uma profunda ação na educação básica, toda mobilidade social no Brasil fica presa à “lógica de mercado”.

tendpesq

Por Fernando Brito – 3/2/2017 – via Tijolaço.

Hoje, na Exame, os números monstruosos da regressão social no Brasil:

A crise econômica no Brasil enviou 4,4 milhões de famílias para as classes D e E só no biênio 2015-2016, de acordo com estudo da consultoria Tendências.

Leia mais:

http://www.tijolaco.com.br/blog/dois-anos-de-neoliberalismo-anulam-seis-de-desenvovimentismo

R$ 400 bilhões para o pagamento de juros. Veja quem realmente quebrou o Estado brasileiro (por Ladislau Dowbor/via Outras Palavras e Viomundo)

Captura de Tela 2016-12-26 às 22.07.38

Por Ladislau Dowbor – 26/12/2016 – via Outras Palavras e Viomundo.

Examine os números: gasto social é moderado, enquanto pagamento de juros explode. País entra em crise — e governo mantém justamente as despesas mais devastadoras.

Leia mais:

http://www.viomundo.com.br/politica/ladislau-dowbor-r-400-bi-para-o-pagamento-de-juros-veja-quem-realmente-quebrou-o-estado-brasileiro.html

O Xadrez da guerra mundial entre os poderes (por Luis Nassif/via GGN)

Por Luis Nassif – 18/11/2016 – via GGN.

“Praticaram um golpe de Estado sem a menor noção sobre as consequências futuras. Através da mídia, criaram um mundo imaginário, uma orquestração, cujo único ponto de convergência era a derrubada do governo e a eliminação do inimigo comum, o PT, e o único ponto de mobilização o exercício continuado do ódio. E, tal como vendedores de xaropes do Velho Oeste, venderam ilusões de que a queda de Dilma produziria crescimento, prosperidade, o fim do mal-estar geral.

Esse quadro se desenrola em um país institucional e politicamente desmontado, e com uma política fiscal-monetária que ampliará o desconforto geral.”

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/noticia/o-xadrez-da-guerra-mundial-entre-os-poderes#.WC5P25f5GQs.facebook

Os 10 pontos que explicam o Novo Sistema Mundial

Reprodução

Por Ignacio Ramonet – 5/10/2016 – via Carta Maior.
Tradução: Victor Farinelli.

Precisamos tomar consciência das rápidas evoluções em curso e refletir sobre a possibilidade de que cada um de nós pode intervir de alguma forma.

Leia mais: http:

cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Os-10-pontos-que-explicam-o-Novo-Sistema-Mundial/6/36951

Impeachment, crise e golpe: o Brasil no palco da tormenta mundial (por Osvaldo Coggiola/via glob da Boitempo)

Osvaldo Coggiola, colaborador

Osvaldo Coggiola é professor titular de história contemporânea da Universidade de São Paulo. Nascido na Argentina, é autor, entre outros livros, de Introdução à teoria econômica marxista. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

Por Osvaldo Coggiola – 31/5/2016 – via blog da Boitempo.

O impeachment de Dilma pode ser qualificado politicamente como um golpe de Estado. Quem limita o uso desse conceito aos golpes militares, ou às mudanças de regime político obtidas mediante o uso explícito da força, possui um conceito estreito e formal, não só do conceito de golpe, mas também do próprio Estado e de seus regimes políticos.

Leia mais:

https://blogdaboitempo.com.br/2016/05/31/impeachment-crise-e-golpe-o-brasil-no-palco-da-tormenta-mundial