Elza Soares canta esperança e liberdade no país do desalento (por Mário Magalhães/The Intercept Brasil)

Elza Soares lança novo disco, Deus é mulher

Capa do novo álbum “Deus é mulher”, de Elza Soares.

Por Mário Magalhães – 24/5/2018 – via The Intercept Brasil.

O novo álbum de Elza Soares, “Deus é mulher”, é fecundo em criações que cantam e contam o Brasil de cinquenta anos depois do toque de Gal. Contém onze faixas, com rap, canção, samba, frevo. Chegou às plataformas digitais na quinta-feira. Será vendido em CD e, ói nóis aqui traveiz, vinil e cassete.

Leia mais:

https://theintercept.com/2018/05/23/elza-soares-novo-album/?utm_source=Colabora&utm_campaign=70b4c5d7ee-EMAIL_CAMPAIGN_2018_05_23&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-70b4c5d7ee-417482585

Tia Ciata é a mãe negra do samba, que cedeu sua casa e sua vida para o estilo nascer no Brasil (por Thais Matos/via Huff Post Brasil)

Divulgação/Acervo da Organização Cultural Remanescentes de Tia Ciata.

Tia Ciata é considerada matriarca do samba brasileiro e referência do candomblé no início do século 20.

Por Thais Matos – 20/11/2017 – /via Huff Post Brasil.

Nascida Hilária Batista de Almeida, Ciata saiu da Bahia durante a diáspora para se tornar a dama do samba e do candomblé do Rio de Janeiro.

Leia mais:

http://www.huffpostbrasil.com/2017/11/16/samba-e-coisa-de-preta-a-historia-de-tia-ciata-a-matriarca-do-samba-brasileiro_a_23279720/?utm_hp_ref=br-mulheres

 

TV a serviço da tecnologia do racismo (por Joice Berth/via Fundação Mauricio Grabois)

Por Joice Berth – 24/11/2017 – via Fundação Mauricio Grabois.

Os serviçais negros, sempre pacíficos, embora ignorantes e desprovidos de cultura e bons modos brancos, são um exemplo comum dessa técnica de manutenção do lugar criado para o sujeito negro exercido pela televisão.

Leia mais:

http://fndc.org.br/clipping/tv-a-servico-da-tecnologia-do-racismo-954025

O pedestre está desaparecendo (por Joaquim Ferreira dos Santos/via #Colabora)

Joaquim Ferreira dos Santos

Por Joaquim Ferreira dos Santos – 30/10/2017 – via #Colabora.

Conectados com a irrelevância, passantes abrem mão do prazer de refletir enquanto os pés se movem.

Leia mais:

https://projetocolabora.com.br/cidades/o-pedestre-brasileiro-esta-desaparecendo/?utm_source=Colabora&utm_campaign=e3ff7f34b0-EMAIL_CAMPAIGN_2017_10_30&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-e3ff7f34b0-417482585

 

Como me tornei historiadora e a vida entre livros, arquivos e salas de aula

Foto: Robson Maia.

Por Nexo Jornal – 16/10/2017 – via #Colabora.

A professora de história da UFRJ Giovana Xavier fala sobre sua trajetória como intelectual negra no Brasil.

Leia mais:

https://www.nexojornal.com.br/profissoes/2017/10/16/Como-me-tornei-historiadora-e-a-vida-entre-livros-arquivos-e-salas-de-aula?utm_source=Colabora&utm_campaign=c4a04abe1f-EMAIL_CAMPAIGN_2017_10_20&utm_medium=email&utm_term=0_7b4d6ea50c-c4a04abe1f-417482585

Saudável é comer o que te faz feliz (por Maria Bitarello/via Outras Palavras)

170919-Bosch

Imagem: Hieronymus Bosch, O Jardim das Delícias Terrenas, 1490-1510 (detalhe).

Por Maria Bitarello – 19/9/2017 – via Outras Palavras.

Desvie dos cálculos de nutrientes, do proselitismo alimentar. Dê à alma e ao corpo o que eles pedem. Confie no que te alegra – e mais na intuição que no intelecto.

Leia mais:

http://outraspalavras.net/destaques/saudavel-e-comer-o-que-te-faz-feliz

Boaventura: a esquerda sem imaginação (por Boaventura de Sousa Santos/via Outras Palavras)

180824-Cinza3

Por Boaventura de Sousa Santos – 24/8/2017 – via Outras Palavras. Imagem: Edward Hooper, Pessoas ao sol (1963).

Leia mais:

Por não ousar novas formas de Democracia, Estado e Economia; e por não enfrentar articuladamente as três faces da dominação, ela tem sido incapaz de deter a ofensiva brutal do sistema.

http://outraspalavras.net/capa/boaventura-a-esquerda-sem-imaginacao