Grafiteiros fazem ação neste fim de semana para revitalizar entrada do Morro do Mocotó, em Florianópolis (por G1 SC)

Por G1 SC – 20/4/2017.

Uma ação no fim de semana deverá colorir a entrada do Morro do Mocotó, uma das maiores comunidades do Centro de Florianópolis. Doze grafiteiros vão revitalizar e pintar novos painéis nos muros que formam o corredor de entrada para o morro. O projeto se chama Mocotó Cor.

Leia mais:

http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/grafiteiros-fazem-acao-neste-fim-de-semana-para-revitalizar-entrada-do-morro-do-mocoto-em-florianopolis.ghtml

 

Nota pública – Ato Fora Temer, 2 de setembro de 2016 (via Contrataque)

14238156_1114107761960425_839913851101203405_n

Foto de Eduardo Valente (todos os direitos reservados).

Nota Pública – Ato Fora Temer – 2/9/2016 – via Contrataque.

“Durante o ato, dialogamos sobre a atual situação do país, com alegria, música, gritos de ordem, bandeiras e faixas. Até onde os manifestantes conduziram o ritmo e o trajeto, tudo ocorreu com tranquilidade. Porém, o comando da polícia militar subitamente decidiu fechar o diálogo com os manifestantes, impedindo a continuação da caminhada.”

Leia mais:

http://www.contrataque.libertar.org/2016/09/03/notapublicaatoforatemer02desetembro

Gente sem noção

Por Celso Vicenzi

A poluição do Rio do Brás, em Canasvieiras (Florianópolis), é o retrato da incompetência das autoridades que deveriam fiscalizar o nosso patrimônio natural. Nossas belezas estão sendo destruídas pela ganância e irresponsabilidade de muitos, sem que os poderes constituídos impeçam esses abusos. O que dizer, afinal, de proprietários de residências e empreendimentos que não ligam seus sistemas sanitários à rede de esgotos e emporcalham o próprio lugar onde vivem ou ganham dinheiro? São pessoas assim, totalmente insensíveis, que costumam dizer, nas rodas de conversas, que o Brasil não tem solução. Com gente assim, não tem mesmo.

Um único veículo parou Florianópolis

Por Celso Vicenzi.

Um engarrafamento gigantesco ocorreu segunda-feira (4), em Florianópolis, quando um caminhão quebrou num morro a caminho das praias do Norte da Ilha. Foi a prova mais contundente do atraso político e de gestão na Capital dos catarinenses. Segundo o Deinfra, falta um guincho capaz de rebocar grandes veículos. Ou seja, naquela que se autointitula Capital do Mercosul, um único veículo consegue parar completamente a cidade.

Cadê as nossas autoridades municipais e estaduais que não conseguem ter peso político para conseguir que o Deinfra contrate um serviço desse tipo? Quando não há falta de água e luz são engarrafamentos quilométricos que se formam por conta da inoperância de quem deveria agir rapidamente para evitá-los.

A natureza nos deu quase tudo, menos autoridades competentes para administrar tantas belezas e evitar o caos, que se repete a cada verão.

Gilberto Gerlach lança obra com o mais rico acervo iconográfico sobre a Ilha de Santa Catarina

IMG_0056Gilberto Gerlach, autor de monumental pesquisa iconográfica que resultou no livro Ilha de Santa Catarina – Florianópolis, em dois volumes, 776 páginas, 550 fotografias, 110 desenhos e 75 pinturas, além de várias reproduções de notícias de jornais, crônicas, poemas e anúncios publicitários. Esta obra veio completar os outros dois volumes de Ilha de Santa Catarina – Desterro, lançados em 2010. Noite de autógrafos foi nesta terça-feira, dia 8, na Assembleia Legislativa, com a entrega de 350 livros gratuitamente, graças ao incentivo da Tractebel Energia e BRDE, via Lei Rouanet, do Ministério da Cultura. A obra também será doada para bibliotecas de Santa Catarina. E no próximo dia 17 haverá novo lançamento, no mesmo local, às 19 horas, quando os livros serão vendidos – R$ 200,00.

Foto: Celso Vicenzi.