Manual une conhecimento indígena e científico sobre os usos de plantas amazônicas (via Instituto Socioambiental)

Via Instituto Socioambiental – 5/10/2017.

Manual de Etnobotânica será lançado pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro, pelo Instituto Socioambiental (ISA) e demais parceiros do Brasil e da Inglaterra. Publicação é fruto de pesquisa e intercâmbio de conhecimentos com povos indígenas da região do Alto Rio Negro, noroeste amazônico.

Leia mais:

https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/manual-une-conhecimento-indigena-e-cientifico-sobre-os-usos-de-plantas-amazonicas?utm_medium=email&utm_source=transactional&utm_campaign=manchetes%40socioambiental.org

Livro gratuito reúne detalhes de quase 400 espécies de plantas medicinais

Livro gratuito reúne detalhes de quase 400 espécies de plantas medicinais

Foram necessários três anos de coleta para que os artistas pudessem desenhar todas as espécies. Foto: Reprodução.

Por CicloVivo – 7/11/2016.

O “Tratado das Plantas Medicinais” é fruto do trabalho de mais de 40 anos de pesquisas e vivências da farmacêutica e professora Telma Sueli Mesquita Grandi. A obra, disponível para download gratuito, reúne 383 espécies com poder medicinal.

Leia mais:

http://ciclovivo.com.br/noticia/livro-gratuito-reune-detalhe-de-quase-400-especies-de-plantas-medicinais

Jessé Souza: “O ódio ao pobre é o problema central do Brasil” (por Brasil247)

Ag. Senado | Ricardo Stuckert | USP Imagens

Por Brasil247 – 29/9/2017.

O sociólogo e professor Jessé Souza acredita que “o ódio ao pobre é o problema central do Brasil”. Em seu novo livro, “A elite do atraso – da escravidão à Lava Jato”, ele apresenta a tese sobre como é legitimada a desigualdade social no Brasil e como a elite do dinheiro é a principal influenciadora das ideias e projetos do País, comprando todas as outras elites.

Leia mais:

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/319945/Jess%C3%A9-Souza-%E2%80%9CO-%C3%B3dio-ao-pobre-%C3%A9-o-problema-central-do-Brasil%E2%80%9D.htm

Podres de ricos investem no desastre social (por Flavio Ilha, entrevista com Antonio David Cattani/via Extra Classe)

Podres de ricos investem no desastre social

Por  Flavio Ilha, entrevista com Antonio David Cattani – 14/8/2017 – via Extra Classe.

Economista, professor e um dos mais respeitados pesquisadores sobre a concentração de riqueza no mundo, Antonio David Cattani está lançando um novo livro. Em Ricos, podres de rico (Tomo Editorial, 64 páginas), disseca de forma didática e acessível – “sem economês”, salienta – como o aumento da riqueza nas mãos de poucas empresas ou pessoas é um risco à democracia, além de uma ameaça ao próprio capitalismo. “A crise de 1929 foi provocada pelo mesmo fenômeno que estamos observando agora. Em um, dois anos, vamos ultrapassar aquele patamar de concentração. É a crônica de um desastre anunciado”, diz nesta entrevista ao Extra Classe.

Leia mais:

http://www.extraclasse.org.br/edicoes/2017/08/podres-de-ricos-investem-no-desastre-social

A Era do Capital Improdutivo – e como superá-la (por Antonio Martins/via Outras Palavras)

additional_8925e0c53b5dc7352c3d9a046fd15c7b4db1b1f5-8

Por Antonio Martins – 1/8/2017 – via Outras Palavras.

Em seu novo livro, Ladislau Dowbor oferece chaves preciosas para decifrar a metamorfose do sistema e suas novas formas de dominar e concentrar riquezas. Também sugere: é possível vencê-lo – mas com outros métodos…

Leia mais:

http://outraspalavras.net/brasil/a-era-do-capital-improdutivo-e-como-supera-la

O Processo

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Por Ayrton Centeno – 12/7/2017 – no FB.

“Não há dúvida nenhuma de que por detrás de todas as aparências desta justiça e, no meu caso, para lá da prisão e do interrogatório de hoje, se encontra uma grande organização. Uma organização que não utiliza unicamente guardas venais, inspetores e juízes de instrução idiotas, indigitados apenas para o mais simples dos casos, mas que também sustenta juízes de elevada categoria, servidos por inúmeros e inevitáveis criados, escribas, polícias e outros auxiliares, talvez mesmo carrascos, emprego esta palavra sem qualquer receio. E, meus senhores, qual é o sentido desta grande organização? Não é outro senão o de prender pessoas inocentes e de contra elas instruir um processo absurdo e, na maior parte das vezes, como no meu caso, improfícuo”.

(Fala de K em O Processo. K é um personagem de Franz Kafka, escritor que flagrou estes tempos em que vivemos, onde para se dizer que fez basta não ter feito e nos quais todos nós somos criaturas do absurdo. Sobretudo no dia de hoje.)