O ativismo identitário e o debate público: entrevista com Francisco Bosco (por Paula Miraglia e Ricardo Monteiro/via Nexo)

Por Paula Miraglia e Ricardo Monteiro – 24/11/2017 – Via Nexo.

“A vítima tem sempre razão?” é o título do novo livro do autor, que analisa a atuação dos movimentos feminista, negro e LGBTs no Brasil hoje.

Leia mais:

https://www.nexojornal.com.br/video/video/O-ativismo-identit%C3%A1rio-e-o-debate-p%C3%BAblico-entrevista-com-Francisco-Bosco

A cada 10 minutos uma mulher é vítima de violência em Santa Catarina (por Fábio Bispo/via Notícias do Dia)

Para a delegada Patrícia D´Ávila, é preciso uma transformação cultural para reduzir casos de violência - Flávio Tin/NDPara a delegada Patrícia D´Ávila, é preciso uma transformação cultural para reduzir casos de violência – Flávio Tin/ND.

Por Fábio Bispo – 18/8/2017 – via Notícias do Dia.

Dados da Secretaria de Segurança Pública revela que os crimes mais praticados contras as mulheres são ameaça, lesão corporal e estupro.

Leia mais:

https://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/a-cada-10-minutos-uma-mulher-e-vitima-de-violencia-em-santa-catarina

Jovem agredida por ex-namorado abandona Florianópolis por falta de segurança (por Sérgio Rubim/via Canga blog)

Por Celso Vicenzi

É mais comum do que se imagina, infelizmente. E é muito difícil saber antecipadamente, porque por trás de um homem que parece educado, gentil, às vezes se esconde um agressor, alguém brutal, extremamente machista. Egocêntricos e covardes, incapazes de aceitar um “não” sem apelar para a violência.
Parabenizo por denunciar publicamente. E que consiga vencer este trauma, punir este canalha e refazer a sua vida, com amor, paz e liberdade. Esta é uma luta de toda(o)s.

Via Canga blog – 21/8/2017.

Leia mais:

http://cangarubim.blogspot.com.br/2017/08/jovem-agredida-por-ex-namorado-abandona.html

Danilo Gentili e o estupro remoto (por Flávia Azevedo/www.correio24horas.com.br)

Por Flávia Azevedo – 5/6/2017 – via www.correio24horas.com.br

A deputada não tem medo do seu pau. Nem a puta tem medo do seu pau. Pau não mete mais medo, pau não é mais poder. Somos putas, deputadas, mães, eletricistas, presidentas, pilotas de avião e continuaremos sendo a porra toda que a gente quiser. Não tem mais volta, não importa quantas melecas você coma atrás da porta do seu quarto. Não importa quantas unhas você destrua entre os dentes. Não importa quantas punhetas você bata pensando na mulher que você odeia. Não importa quantos quilos de papel você esfregue no seu pau, no seu saco, na sua impotência transformada em ódio. Acabou. A vergonha é sua que não consegue ser, sequer, um adversário à nossa altura. Como merecemos. Alguém que, minimamente, consiga se expressar usando o cérebro em vez do órgão genital.

Leia mais:

http://www.correio24horas.com.br/detalhe/artigo/noticia/flavia-azevedo-danilo-gentili-e-o-estupro-remoto/?cHash=bab5ef29da0599470905e339e4e02e09

O machismo também mora nos detalhes (por Maíra Liguori/via Think Olga)

olga

Por Maíra Liguori – 9/4/2015 – via Think Olga.

Quando você pensa em machismo, o que vem à sua cabeça? Estupro, violência doméstica, restrição econômica, submissão e subserviência. Porém, existem alguns comportamentos machistas que permeiam nosso cotidiano e sequer nos damos conta. Gestos que parecem inofensivos, mas na verdade roubam nossa força, nosso espaço e limitam as possibilidades das mulheres. Mas estamos de olho! A Think Olga traz uma explicação sobre quatro tipos de machismo invisíveis para te ajudar a combatê-los no seu dia-a-dia: manterruptingbropriating, mansplaining e gaslighting. São comportamentos batizados em inglês sem tradução oficial. Mas também achamos imprescindível pensarmos em versões em português!

Leia mais:

http://thinkolga.com/2015/04/09/o-machismo-tambem-mora-nos-detalhes

Dia Internacional da Mulher: à luta por um mundo melhor

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas no palco, multidão e atividades ao ar livre

Foto: Rovena Rosa/Arquivo/Agência Brasil.

Por Celso Vicenzi – 8 de Março – Dia Internacional da Mulher.

Minha homenagem a vocês, que são todas, são muitas, são únicas. Tudo que se possa dizer é insuficiente para descrevê-las em tantas especificidades e multiplicidades.

Meu reconhecimento às mulheres por tudo que fizeram e fazem para tornar o mundo um lugar melhor para se viver. O Dia Internacional da Mulher é um dia de luta. Portanto, à luta por um mundo com direitos iguais, de combate ao machismo, à sociedade patriarcal, à exclusão, à exploração, à discriminação, ao preconceito e todas as formas de violência.

Sem abdicar da singularidade da luta feminista, a conscientização de mulheres e homens por uma sociedade mais justa e solidária, deve ser a luta de toda(o)s.

Precisamos falar sobre a Miss Canadá e a crueldade dos concursos de beleza (por Nathali Macedo/via DCM)

Siera Bearchell, Miss Canadá

Siera Bearchell, Miss Canadá.

Por Nathali Macedo – via DCM – 30/1/2017.

No século da diversidade, há alguma coisa mais antiquada do que concursos de beleza? Pior: Há algo que faça menos sentido do que eleger apenas uma mulher que represente uma “beleza universal” que simplesmente não existe?

O Miss Universo, maior deles, é mais obsoleto que aparelho de fax. Mais cafona que os quadros de Romero Britto. Mais desnecessário que os tweets de Janaína Paschoal.

Leia mais:

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/precisamos-falar-sobre-a-miss-canada-e-a-crueldade-dos-concursos-de-beleza-por-nathali-macedo