Brasileiros contra o Brasil

Por Celso Vicenzi – 7/12/2017.

Uma boa parcela do Judiciário, do MP, da PF, da mídia, empresariado e outros setores que deram o golpe e o tutelam, nem parece que são brasileiros. Agem contra os interesses nacionais. Afinal, o que pretendem com a destruição do país, seus ativos de inteligência, sua soberania?

Silêncio que fala

Por Celso Vicenzi – 5/10/2017.

O silêncio eterno a que autoimpô-se Luiz Carlos Cancellier de Olivo, reitor da UFSC, falará para todo o sempre das injustiças e denunciará o modelo ditatorial implantado no Brasil, em pleno século 21: judicial-policial-midiático, igualmente perverso, intolerante, arbitrário, inquisidor, perseguidor, seletivo, cruel, classista, elitista, excludente, desumano.

O inimigo não é quem pensa diferente de você, mas quem não pensa (por Leonardo Sakamoto/via blog do Sakamoto/UOL)

Por Leonardo Sakamoto – 11/9/2017 via blog do Sakamoto/UOL.

O inimigo não é quem pensa diferente de você, tem outra ideologia, outra identidade, outra vida. Mas quem não pensa e, a partir desse vazio, ataca a existência de tudo à sua volta que não lhe faz sentido. O seu inimigo não é seu adversário político ou econômico, mas quem repete mantras violentos que lê na internet, ouve em bares ou vê em certas igrejas e não para para pensar qual a origem daquilo e a quem interessa que esse discurso seja assim. É quem promove um nós contra eles cego, que utiliza técnica de desumanização, tornando o outro uma coisa sem sentimentos e, ao fim, pede sua extinção.

https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2017/09/11/o-inimigo-nao-e-quem-pensa-diferente-de-voce-mas-quem-nao-pensa

Pessoas que dão ordens no FB

Resultado de imagem para imagem free dedo apontando

Por Celso Vicenzi – 3/9/2017. Ilustração: iStock – royaltie-free.

Não sei vocês, mas acho desagradável que pessoas que se consideram democráticas, utilizem o Facebook para dar ordens a outras pessoas, o que elas devem fazer, como devem fazer, sob pena de cair em desgraça ou perder eventuais laços de amizade. Amizade sob pressão? Faz o que eu digo ou não sou mais seu amigo? Mesmo que a causa seja louvável, por razões particulares, posso não querer fazer da mesma forma que me obrigam. Não, obrigado! Dispenso. Eu decido livremente o que quero apoiar, compartilhar e a forma como irei fazê-lo. Deixemos as pessoas livres, também, para decidirem o que fazem com o que publicamos e com as causas que apoiamos.

Mais que desânimo, é desabafo

Por Celso Vicenzi – 3/8/2017.

Concordando com uma amiga. Não dá para falar em povo e se posicionar à parte. Todos somos povo, sim, inclusive essa turma de ladrões. Acho que o desânimo de alguns (mas também é só desabafo, fiquemos tranquilos!) é saber que os mais prejudicados ainda não entenderam que estão sendo ferrados, massacrados e continuam iludidos pelas antenas de TV. Penso que é mais por aí, mas tenho certeza que a hora chegará em que todos que não forem canalhas ou covardes estarão (estaremos) juntos para retomar o país que boa parte da mídia, empresariado, parlamentares, juízes, igrejas, procuradores, policiais federais e “outros que tais” estão fazendo de tudo para destruir.

A conferir

Por Celso Vicenzi – 14/7/2017.

Esse apetite incontrolável e obsceno dos golpistas sobre os direitos e a renda da população mais pobre vai acelerar a consciência de classe. A burguesia pode ter dado um tiro no pé.

Cotidiano de exceção (por Eliane Brum/via El País)

Cartaz da edição brasileira do livro 'Sobre a tirania' feito por Alceu Chierosin Nunes

Cartaz da edição brasileira do livro ‘Sobre a tirania’ feito por Alceu Chierosin Nunes. Imagem: Divulgação.

Por Eliane Brum – 29/5/2017 – via El País.

Resistir neste momento é também deixar de reagir por reflexo – e passar a reagir a partir da reflexão. Quando tudo parece caótico, quando tudo fica meio misturado e parecido, é preciso olhar para os fatos. Olhar para os fatos com toda a atenção. São eles que nos apontam onde estão as verdades e nos ajudam a enxergar onde está a manipulação, assim como a falsificação. O pensamento é ainda a melhor forma de resistência.

Leia mais:

http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/29/opinion/1496068623_644264.html