Autora de tese de doutorado sobre Mr. Catra critica pensamento “elitista e preconceituoso”

Mylene Mizrahi (de blusa rosa, no centro), em baile funk na Fundação Progresso, no Rio, durante a elaboração de sua tese de doutorado | Arquivo pessoal

Mylene Mizrahi (de blusa rosa, no centro), em baile funk na Fundação Progresso, no Rio, durante a elaboração de sua tese de doutorado – Foto: Arquivo pessoal.

Via Gazeta do Povo – 17/6/2017.

Após ser citada em matéria da Gazeta do Povo , Mylene Mizrahi diz “que o costume de querer ditar o que é ou não é cultura perdura entre as elites”.

Leia mais:

http://www.gazetadopovo.com.br/educacao/autora-de-tese-de-doutorado-sobre-mr-catra-critica-pensamento-elitista-e-preconceituoso-9jxaz85j3uucblcipuyve3r5j

Material didático de combate ao racismo contra indígenas é disponibilizado para download

Material didático de combate ao racismo contra indígenas é disponibilizado para download

Por Ministério Público Federal – 15/5/2017.

O Ministério Público Federal (MPF) publicou nesta segunda-feira (15) versão digital de material didático com informações para o combate às atitudes de preconceito, racismo e discriminação contra povos indígenas. O material está disponível para download.

Leia mais:

http://www.mpf.mp.br/pa/sala-de-imprensa/noticias-pa/material-didatico-de-combate-ao-racismo-contra-indigenas-e-disponibilizado-para-download

Deixar pra lá não resolve

Violência Contra As Mulheres, Não Desviar O Olhar

Por Celso Vicenzi – 24/4/2017 – Imagem: Pixabay/Creative Commons CCO.

Tem sido comum nas redes sociais, críticas “amigáveis”, no campo da esquerda, a quem se ocupa em denunciar atitudes e discursos que disseminam o ódio, sempre que partam de pessoas que, dizem esses internautas, “a melhor tática é deixar quieto, não debater”. Gostaria muito de acreditar que agir assim, diminuiria a força de quem usa os espaços públicos para propagar ideias de violência e exclusão contra outros seres humanos.

Por essa lógica, a pregação machista, fascista, homofóbica, misógina, preconceituosa, discriminatória e violenta de uma pessoa como Bolsonaro, por exemplo, não merece que nos ocupemos em debater e criticar. “É isso o que ele quer”, dizem. “Deixa ele pra lá, é a melhor atitude”. O mesmo aconteceu, recentemente, com um abuso ao vivo, pela maior emissora de TV, num programa de grande audiência. Neste segundo caso, evidentemente, ninguém propugna que se assista ao programa, mas ao tomar conhecimento de que algo de grave aconteceu, é necessário refletir sobre o alcance do que se torna público, queiramos ou não. Cidadãos e cidadãs recebem entretenimento da pior qualidade e noticiário idem. E vamos fazer de conta que se deixarmos quieto tudo se revolve?  Ou que não terá a força e o impacto que têm na mente de milhões de pessoas a quem não se oferecem outros argumentos para uma reflexão menos distorcida?

Se esta é a atitude mais correta para enfrentar essas e tantas outras aberrações cotidianas, não seria o caso de perguntar (a lógica, assim como as delações, não podem ser seletivas), por que denunciar, então, o machismo? Deixa pra lá, quanto menos falarmos, menos “Ibope” e, consequentemente, o machismo e os machistas perderão força e desaparecerão, num passe de mágica. Por que falar sobre assédio moral e sexual? Isto só vai estimular os assediadores, não é essa a lógica desse discurso? E os fascistas, vamos deixá-los pregar o ódio com argumentos falhos e equivocados, mas que podem conter uma lógica convincente para tantas pessoas sem acesso a outras fontes de informação? (Bandido bom é bandido morto; bolsa família é pra vagabundo; mulher que quer se dar ao respeito precisa saber como se vestir; quem quer trabalhar sempre arruma emprego;  e por aí vai…) .

Mesmo que sejam pessoas que se comportem de maneira desprezível, na política, nos meios de comunicação, onde quer que a vida exista e seres humanos e do reino animal (por que não?) estejam sendo violentados, há que meter a colher, sim. Há que debater, argumentar, tentar compreender o que leva tantas pessoas a se identificarem com seus próprios algozes, numa espécie de síndrome de Estocolmo coletiva.

Afinal, como São Paulo elege Doria? Como Bolsonaro, inicialmente ridicularizado em suas diatribes que pareciam apenas gestos tresloucados, recebe tantos votos e se apresenta como uma ameaça para o futuro da nação? (o cacófato é perfeito!). Por que no país milhões de pessoas aceitam passivamente um governo ilegítimo e que prega o fim dos diretos sociais e trabalhistas e se horrorizam com a simples menção à Dilma, Lula e o PT? A explicação mais simples aponta para a influência dos veículos de comunicação – e me parece correta –, mas não pode ser apenas isso.

Há nesse discurso algo mais profundo, que nos liga à história de séculos de violência contra índios, negros, gays, pobres, movimentos sociais e sindicais  e todos aqueles que se insurgem contra os privilégios de uma casta que transformou o Brasil num dos países mais desiguais do planeta. Há uma naturalização subjacente nas atitudes do garoto “moderninho” que legitima toda essa desigualdade, que o põe em contato com o passado de escravidão que não desapareceu e continua vivíssimo na alma ,na mente e nas ações de boa parte do povo brasileiro. Os mais ricos e setores da classe média continuam a achar perfeitamente normal ter muitas pessoas a servi-los, a limpar suas casas, a fazer serviços às vezes desumanos, a tratar empregados como pessoas de segunda classe. Há um discurso de meritocracia a tentar legitimar a injustiça e a desigualdade social, como se não fossem resultado de privilégios concedidos e construídos ao longo da história.

Precisamos revirar a história, buscar na sociologia, na antropologia, na filosofia, na ciência política, na psicologia e na psicanálise, em outras formas de conhecimento possíveis, as motivações mais profundas, mesmo as mais irracionais, para tantos fenômenos políticos, econômicos e sociais que impelem milhões de pessoas a um determinado comportamento de ódio e de exclusão – até mesmo contra seus próprios interesses. E, identificadas algumas premissas que nos parecem mais verdadeiras, agir para desativar a bomba-relógio que pode explodir em mais ódio e violência contra aqueles que historicamente vivem à margem da cidadania. O sistema é expert em patrocinar o ódio contra as classes sociais mais pobres, vistas como a fonte de todas as mazelas produzidas, em grande parte, pelo seleto grupo de privilegiados que sempre comandou e volta a comandar a política federal no país.

O negro já foi a explicação para o atraso brasileiro, na Europa os judeus foram acusados de ganância, os imigrantes são o bode expiatória da vez, em todo o mundo, para encobrir o principal: um sistema político e econômico que explora a maioria dos seres humanos, destrói o planeta, promove guerras e violências para garantir a dominação de um grupo muito pequeno de privilegiados.

E fenômenos sociais são icebergs. Deixam entrever, em breves momentos, atos que parecem isolados e despretensiosos, mas que são a ponta de algo maior, que pode causar enorme dano e sofrimento às pessoas.

Por isso, salvo engano, não dá pra “deixar pra lá”. Parece-me mais sensato e prudente  debater, com o máximo de alcance possível, as possíveis explicações para a “banalização do mal”, para que o maior número de pessoas compreenda os riscos que essas “falas” provocam se assimiladas sem qualquer discordância. Obviamente que há situações que não compensam o desgaste de tentar estabelecer um diálogo com quem não quer ouvir contra-argumentos. Por exemplo, nas redes sociais ou em situações sociais do cotidiano. O que se comenta , aqui, é que não dá para esperar o ovo da serpente ser chocado para só depois denunciar e reagir.  É preciso contrapor, desconstruir os discursos do ódio e da insensatez, com inteligência, paciência e racionalidade, sem abdicar do afeto e da emoção, que fala primeiro ao coração das pessoas.

Quebrando tabu na Maratona de Boston

 

Like a grrrl 👊

Publicado por Quebrando o Tabu em Sexta, 21 de abril de 2017

Via FB – abril/2017.

Em 1967, Kathrine Switzer se tornou a primeira mulher a correr a Maratona de Boston, apesar da proibição para mulheres. Se inscreveu como K.V. Switzer e quando o co-diretor da maratona Jock Semple percebeu que havia uma mulher correndo, tentou segurá-la e tirá-la da prova. Cinquenta anos depois, aos 70 anos, ela correu novamente a maratona com mais 13 mil mulheres.

“Se tudo mudou em 500 anos, porque não podemos mudar e continuar a ser índio?”

“Você pode raspar, cortar moicano e até descolorir o cabelo. Eu também”. Cena da campanha #menospreconceitomaisíndio. Imagem: Daniel Klajmic/Pródigo.

Por Instituto Socioambiental – 12/3/2017.

Em sua primeira campanha para tevê e cinema, o Instituto Socioambiental (ISA) convida os brasileiros a olhar os povos indígenas com respeito, generosidade e sem preconceito.

29 fotos perturbadoras de quando a segregação racial era permitida nos EUA (por Gabriel H. Sanchez/via BuzzFeed News Photo Essay)

Homens bebem água em bebedouros separados; foto sem data.

Por Gabriel H. Sanchez – via BuzzFeed News Photo Essay.

Este triste período da história americana ficou conhecido como a “era Jim Crow”.

Leia mais (e veja):

https://www.buzzfeed.com/gabrielsanchez/29-imagens-perturbadoras-da-vida-americana-sob-as?utm_term=.br82R2o7lP&bffbbrazil#.jsa7a7LzER

Uma bandeira… Marisa e Lula, vida em movimento, para sempre (por Sérgio Medeiros/via Luis Nassif/GGN)

Por Sérgio Medeiros – 3/2/2017 – via Luis Nassif/GGN.

Dentre todas as imagens, uma das mais significativas, pelo simbolismo do início da jornada, a que fica guardada em nossos corações, é a que narra a criação de um movimento que buscava a emancipação de todas as pessoas, uma visão generosa e solidária de mundo, imortalizada na pura e simples criação de uma bandeira.

(…) Não, não podem matar Lula…  , não, não podem matar Marisa Letícia… assim como não podem calar a voz do povo…nem aprisionar sua alma.

…não, eles  não podem tirar o fulgor das estrelas….

Nem agora.

Nem depois.

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/fora-pauta/uma-bandeira-marisa-e-lula-vida-em-movimento-para-sempre-0

Lula é pobre e pobre “tem de sofrer calado” (por Wilson Gomes e Fernando Brito/via Tijolaço)

Comentário de Vinicius B. Vicenzi:
 
Bom texto. Lula simplesmente não pode ser Lula. Muito mais “fora do lugar” foi a fala do padre, citando reforma da previdência, trabalhista, etc., e não fazendo um discurso de “religioso”. Mas essa fala ninguém condena. Se condena apenas o desabafo de um marido, político, ao ver sua esposa partir triste por conta de uma enxurrada de acusações, ainda sem provas, à sua família. Se condena Lula por compartilhar isso com os “seus”, no sindicato que é extensão da sua casa, parte fundamental da sua vida. Para essa direita “demófoba”, Lula simplesmente não pode mais falar. Vai que seu discurso insufla a massa… É preciso prendê-lo, encarcerá-lo bem. Assim ninguém mais ouvirá a sua palavra “fora de lugar”.
 
O filósofo Rancière diz que a política começa quando aquilo que era pra ser ruído começa a se tornar palavra. O discurso de Lula precisa ser condenado a ser só ruído, “mugido” da besta e, não, palavra. Afinal, quem disse a esse “plebeu” que ele podia “falar como patrício”, reivindicar direitos iguais ao dos “patrícios”? A palavra de Lula é política, na sua mais fidedigna essência, e é isso que incomoda. Pobre não pode fazer política. Esse é o “grande mal” de Lula, dizem. Mas ele recusou essa “lição”.
sofrercalado
Por Wilson Gomes e Fernando Brito – 5/2/2017 – via Tijolaço.
Uma parte da sociedade brasileira nunca se cansa de mostrar a Lula o seu lugar. E de reclamar, histérica, quando ele, impertinente, não faz o que ela quer. Tem sido assim. Lula já foi insultado de analfabeto, nordestino, cachaceiro, ignorante e aleijado, muito antes de ser chamado de corrupto e criminoso. A cada doutorado honoris causa de Lula choviam ofensas e impropérios porque ele não tinha todos os dedos, porque era uma apedeuta, porque era um peão. Qualquer motivo para odiá-lo sempre foi bom o bastante para uma parte da sociedade.
Leia mais: